11:42 05 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    263
    Nos siga no

    A recriação do auxílio emergencial vai atender mais pessoas do que o inicialmente previsto. Segundo estimativas da equipe econômica, o programa deve chegar a pelo menos 40 milhões de indivíduos em 2021.

    De acordo com informações da Folha de São Paulo, o objetivo do Ministério da Economia é fazer uma filtragem e deixar o programa mais focado, direcionando recursos apenas à população pertencente às camadas mais baixas de pobreza.

    O benefício deve contemplar uma população menor do que a de 2020. No dia 4 de fevereiro, o ministro Paulo Guedes (Economia) previa contemplar 32 milhões de brasileiros.

    A publicação sustenta que a ideia da equipe econômica parte da premissa de que 75% dos recebedores do auxílio emergencial em 2020 representavam a parcela de 50% da população brasileira com menos recursos.

    A pasta de Paulo Guedes quer regras para atender aos mais carentes enquanto poupa recursos em relação ao programa do ano passado, que teve até servidores e militares recebendo o dinheiro.

    Agência da Caixa Econômica Federal de Limeira (SP) registra filas de pessoas que foram sacar o auxílio emergencial
    © Folhapress / Roberto Gardinalli/Futura Press
    Agência da Caixa Econômica Federal de Limeira (SP) registra filas de pessoas que foram sacar o auxílio emergencial
    A quantidade de pessoas a receber o auxílio inclui os beneficiários do Bolsa Família, que devem receber um aumento para obterem o mesmo que os demais atendidos.

    Apesar de pressões entre congressistas por um valor mais alto, a equipe econômica insiste em que a quantia a ser paga deve ficar entre R$ 200 e R$ 250 por beneficiário.

    Valores como de R$ 300 são rechaçados sob a ótica de que seria empobrecido todo o país por consequências de um programa mais caro (como a inflação e o aumento de juros).

    ​A equipe também estuda eliminar o pagamento em dobro para mães solteiras, feito no ano passado. O programa custaria no mínimo entre R$ 8 bilhões e R$ 12,5 bilhões por mês, considerando as variáveis de população e valor do benefício previstas nas regras em estudo.

    O Ministério da Economia vem dizendo que busca um programa que dure somente três ou quatro meses, o que levaria o custo mínimo do auxílio emergencial em 2021 a um número entre R$ 24 bilhões e R$ 50 bilhões. Em 2020, o total liberado foi de R$ 322 bilhões.

    Mais:

    Pela 1ª vez, Bolsonaro admite possibilidade de prorrogação do auxílio emergencial
    Prorrogação do auxílio é importante para economia do Brasil voltar a crescer, diz especialista
    Volta do auxílio: Bolsonaro diz que não há dinheiro no 'cofre', e sim 'endividamento'
    Tags:
    COVID-19, Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, economia, auxílio estatal, auxílio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar