04:21 04 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    6344
    Nos siga no

    A maioria dos ministros da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) votou nesta terça-feira (9) pela rejeição de um recurso que visava impedir o acesso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a mensagens apreendidas na Operação Spoofing.

    O recurso negado pelo STF foi movido por procuradores que integraram a força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná. Votaram contrário ao recurso o relator Ricardo Lewandowski e os ministros Nunes Marques, Cármen Lúcia e Gilmar Mendes. Edson Fachin foi o único que divergiu.

    "Fico com um dado que me chama atenção: a polícia tem acesso a dados, o MP [Ministério Público] tem acesso a dados, o juiz tem e a defesa não tem? Isso não é direito constitucional assegurado? Acho que é preciso que levemos com a segurança que o direito constitucional assegura", disse a ministra Cármen Lúcia, justificando seu voto.

    A intenção dos advogados de Lula é analisar as conversas para colocar a atuação do ex-juiz Sergio Moro em suspeição, questionando a legalidade do processo do triplex do Guarujá. Como consequência, a condenação de Lula neste caso pode acabar revogada.

    A força-tarefa da Lava Jato defende que não há comprovação de que as mensagens são legítimas e argumenta que pode ter havido edições nas conversas.

    Mensagens vazadas

    Em 2019, hackers invadiram o celular pessoal de Moro, levando à divulgação de conversas com o procurador Deltan Dallagnol. Nas mensagens, eles tratavam de detalhes e andamentos da operação Lava Jato, em possível conluio.

    Além de Moro e Dallagnol, outros integrantes da força-tarefa, membros do Executivo e parlamentares do Congresso também tiveram contas invadidas. Em setembro de 2019, os suspeitos de realizar o ataque cibernético foram presos.

    O então juiz federal Sergio Moro e o procurador federal e então coordenador da Lava Jato no MPF, Deltan Dallagnol, participam, em 2017, do Fórum Mãos Limpas & Lava Jato
    © Folhapress / Jorge Araújo
    O então juiz federal Sergio Moro e o procurador federal e então coordenador da Lava Jato no MPF, Deltan Dallagnol, participam, em 2017, do Fórum Mãos Limpas & Lava Jato

    Em dezembro de 2020, o ministro Lewandowski, em decisão individual e temporária, liberou o acesso das mensagens vazadas a Lula. Em 5 de janeiro, a Justiça acatou a decisão do ministro. Já no dia 1º de fevereiro, Lewandowski retirou o sigilo sobre as conversas. 

    Segundo a legislação brasileira, a Justiça não pode usar provas obtidas de forma ilegal – como é o caso de informações oriundas de ataques cibernéticos. Porém, há brechas para casos em que o material possa ser utilizado quando é benéfico ao acusado.

    Mais:

    Alexandre Frota pede 'desculpas' a Lula e diz que Justiça está 'reparando erros'
    'Conluio' contra Lula pega mal para Moro e Dallagnol na web
    Boulos reage a Haddad e Lula e diz que esquerda precisa de projetos, não de nomes
    Presidente da Argentina participará de evento do PT em defesa de Lula
    Tags:
    Deltan Dallagnol, triplex, Ricardo Lewandowski, Brasil, mensagens, vazamento, Lava Jato, Sérgio Moro, Brasília, Segunda Turma do STF, STF, Luiz Inácio Lula da Silva, Lula
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar