07:21 13 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)
    6126
    Nos siga no

    Jair Bolsonaro afirmou na última sexta-feira (5) que o governo avalia enviar um projeto para mudar as regras sobre o ICMS. Para o cientista político ouvido pela Sputnik Brasil, a proposta revela que o presidente governa pensando em seus grupos de apoio político.

    Desde a última grande greve dos caminhoneiros no Brasil, em maio de 2018, quando o país parou dez dias seguidos, a delicada questão sobre o preço da gasolina e do diesel nos postos e nas refinarias tomou o debate nacional.

    De olho em uma nova revolta dos caminhoneiros, o presidente Jair Bolsonaro quer um projeto para estabelecer um valor fixo do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre combustíveis, ou a incidência do ICMS sobre o preço dos combustíveis nas refinarias.

    Para Antonio Marcelo Jackson, cientista político do Departamento de Educação e Tecnologias da Universidade Federal de Ouro Preto, ouvido com exclusividade para esta reportagem, há inúmeros problemas com a proposta do governo.

    Manifestação de caminhoneiros no Rio de Janeiro como parte de mobilização nacional da categoria contra os preços altos dos combustíveis no Brasil.
    © Sputnik / Solon Neto
    Manifestação de caminhoneiros no Rio de Janeiro como parte de mobilização nacional da categoria contra os preços altos dos combustíveis no Brasil.
    O especialista entende que, além de "fazer parte de uma campanha eleitoral", o projeto é inviável politicamente porque mexe com praticamente todos os entes da Federação.

    Em um país de dimensões continentais que depende do sistema rodoviário para transporte de cargas, a questão sobre controlar ou não o preço do combustível se tornou assunto para diversos economistas e cientistas políticos. No Brasil, prevaleceu o entendimento do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. Os preços se ajustam de acordo com as leis do mercado.

    Em função de diversos problemas externos e internos, como a COVID-19, o preço dos combustíveis no Brasil subiu vertiginosamente nos últimos anos.

    A fumaça saindo de refinaria de Cubatão, no litoral de São Paulo
    Rovena Rosa/Agência Brasil
    A fumaça saindo de refinaria de Cubatão, no litoral de São Paulo
    Observando as intenções de Bolsonaro, Antonio Marcelo Jackson acredita que "a primeira lembrança que a gente tem que ter é que o ICMS é um imposto estadual, ainda que um pequeno percentual dele fique com o município. Mas de qualquer maneira, a situação se resolve dentro do estado. Então, nesse caso, você está querendo alterar arrecadação dos estados". 

    "O que o senhor Jair Messias Bolsonaro faz? Ele simplesmente vai governar para esse grupo [caminhoneiros]. Pouco importando se ele vai criar problemas estruturais, na medida em que a arrecadação diminua, para todas as 27 unidades da Federação. Isso é típico do governo Bolsonaro. Ele não governa para o país. Ele governa para os seus grupos de apoio", afirmou.

    Viabilidade política do projeto

    Bolsonaro não nega que a alta, principalmente de gasolina e do diesel, preocupa o Palácio do Planalto. Combustíveis caros são ruins para a popularidade de qualquer governo. Além disso, preços altos significam um entrave econômico dentro de qualquer cadeia de produção. Em um país assolado pela pandemia de COVID-19, uma paralisação seria fatal para uma economia que ainda sofre para retomar o crescimento.

    Neste contexto, o cientista político entende que é preciso verificar a origem de uma eventual paralisação. "Boa parte desses caminhoneiros não são autônomos, estamos falando de empresas de transporte, que exploram em demasia o trabalho desses profissionais", enfatizou.

    Para ele, "se pudéssemos separar o joio do trigo, se pudéssemos identificar qual é o tanto dos caminhoneiros que são funcionários das empresas de transporte daqueles que são autônomos, aí verificarmos quem afinal de contas quem está sendo acertado com essa proposta, se as empresas ou os autônomos".

    ​"Aquela última greve de 2018, ficou claríssimo isso, foi muito mais um 'lockout' do que uma greve. Foi uma paralisação mais provocada pelas empresas de transporte do que propriamente pelos caminhoneiros autônomos. Isso em primeiro lugar. Em segundo, se estamos falando efetivamente dos interesses dessas empresa de transporte, então poderíamos pensar também o seguinte: até que ponto você tem esses donos de empresas financiando a campanha de Jair Messias Bolsonaro? Essa é a pergunta chave".
    Caminhoneiros bloqueiam o rodoanel Mário Covas, entre as rodovias Anchieta e Imigrantes, em São Paulo. (Foto: /Folhapress)
    © Foto / Folhapress / Danilo Verpa
    Caminhoneiros bloqueiam o rodoanel Mário Covas, entre as rodovias Anchieta e Imigrantes, em São Paulo. (Foto: /Folhapress)

    Uma proposta motivada por uma ameaça de greve

    Antonio Marcelo Jackson observa que "não existe país no mundo que dependa tanto de transporte rodoviário como o Brasil. Para ele, a medida do presidente Bolsonaro mostra preocupação com uma greve, mas não está claro se "ela é [a preocupação] com o caminhoneiro autônomo, ou é para com as empresas de transporte rodoviário".

    ​Questionado se os preços dos combustíveis potencializam campanhas eleitorais, o entrevistado disse que "se fosse possível separar o joio do trigo, ou seja, verificar o quanto desses motoristas caminhoneiros são funcionários de empresas de transporte daqueles que são autônomos, isso em primeiro lugar; em segundo lugar, pensando que toda categoria apoiasse Jair Messias Bolsonaro, então é claro que se reposta for sim, eu diria que ok, isso potencializa uma campanha política eleitoral. Até porque, conforme Bolsonaro já disse em outras entrevistas, ele está em campanha desde de janeiro de 2019. Ele não administrou o país ainda. Estamos aguardando medidas administrativas do senhor Jair Messias Bolsonaro".  

    A delicada questão do ICMS

    O ICMS é um imposto estadual, cobrado sobre a venda de produtos. As tarifas variam de acordo com o tipo de mercadoria. Alterações no modelo dependem de aprovação no Congresso. Atualmente, o ICMS é cobrado no momento da venda do combustível no posto de gasolina, e cada estado pratica uma porcentagem própria.

    Segundo a Petrobras, a composição de preço pago pelo consumidor do diesel S-10 nas principais capitais é a seguinte: 16% na distribuição e revenda; 14% no custo do biodiesel; 14% de ICMS; 9% de Cide e Pis/Pasep e Cofins; e 47% para Petrobras. Bolsonaro sempre defendeu a cobrança do ICMS na refinaria. Mas jamais tomou medidas nesse sentido.

    Vista da Replan (Refinaria de Paulínia), no interior de São Paulo
    © Folhapress / Luciano Claudino/Código19
    Vista da Replan (Refinaria de Paulínia), no interior de São Paulo
    Ao enfim ventilar a possibilidade de um projeto ser apresentado, recorreu a uma de suas estratégias de governo mais conhecidas: lançar a ideia para ouvir o barulho da repercussão.

    Para o cientista político Antonio Marcelo, "é simplesmente inviável politicamente essa proposta". "Sobre a viabilidade política do percentual fixo para o ICMS, eu recorro a pessoas que entendem mais do que eu a respeito da economia, lembrando o seguinte: é preciso prensar, em  primeiro lugar, que em um país de dimensões continentais como o Brasil, como é que esse combustível, seja petróleo bruto ou refinado, chega nas regiões? Como ele chega no Acre? No Rincão do Amazonas? Ou no Pará? Goiás? Mato Grosso? Enfim, será que o tratamento igual para uma situação tão desigual é a ideal?", questionou.

    Ainda segundo ele, "isso aqui estou imaginando que a proposta fosse uma proposta honesta, de boas intenções. Coisa que, como eu disse antes, eu não acredito. Então, quer dizer, é simplesmente inviável politicamente essa proposta. Até porque você está mexendo com todas as unidades da Federação. Bolsonaro quer governar para os seus segmentos sociais, para aqueles segmentos que o apoiam, e não governar o país. Ele não é um presidente de país, ele é um presidente de grupos. Esse é o problema".

    Apoiadores do presidente Bolsonaro fazem carreata na Avenida Paulista, em São Paulo, a favor da reabertura do comércio
    © Folhapress / FotoRua
    Apoiadores do presidente Bolsonaro fazem carreata na Avenida Paulista, em São Paulo, a favor da reabertura do comércio

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)

    Mais:

    Privatização à vista: STF autoriza venda de refinarias da Petrobras
    Polícia lança nova operação contra corrupção na Petrobras
    Estratégia da Petrobras de reduzir presença internacional prejudica o Brasil, diz petroleiro
    Câmara aprova socorro aos estados por perdas com ICMS e ISS por coronavírus
    Tags:
    COVID-19, diesel, gasolina, combustível, rodovias, caminhoneiros, greve de caminhoneiros, Brasil, Bolsonaro, ICMS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar