01:55 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)
    0 50
    Nos siga no

    Os insumos, matéria-prima essencial para a Fiocruz produzir o imunizante, chegarão ao Brasil neste sábado (6), informou o Ministério da Saúde nesta quinta-feira (4). 

    O primeiro lote do composto, conhecido como insumo farmacêutico ativo (IFA), será suficiente para a fabricação de 7,5 milhões de doses. 

    Inicialmente, a previsão de chegada dos insumos era dezembro. O atraso na importação dos ingredientes fez com que a Fiocruz adiasse a entrega de doses da vacina de fevereiro para março. O imunizante foi desenvolvido pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e o laboratório AstraZeneca.

    Por meio de um acordo de transferência de tecnologia, a Fiocruz produzirá a vacina no Brasil. O imunizante já obteve autorização para uso emergencial da Anvisa, mas falta ainda o registro definitivo, que possibilitará a produção em larga escala. 

    Até julho, 100 milhões de doses

    A Fiocruz enviou no dia 29 de janeiro para a agência pedido para registro definitivo do imunizante. A vacina de Oxford já está sendo aplicada na população, com dois milhões de doses adquiridas junto à Índia. 

    Após esse primeiro lote, outras 13 remessas de insumos vindos da China estão previstas por contrato. Segundo especialistas, a China pode ter dificultado a liberação dos ingredientes devido às críticas que autoridades brasileiras fizeram ao país asiático. 

    Os ingredientes, de acordo com informação da TV Globo, sairão de Xangai ainda nesta quinta-feira (4), desembarcando no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro no sábado (6), às 17h50. 

    A previsão da Fiocruz é de produção de 100 milhões de doses até o fim de julho. No mês passado, a China autorizou a saída de lote de insumos para a produção da CoronaVac, que será fabricada pelo Instituto Butantan, em São Paulo. 

    Tema:
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)

    Mais:

    Colômbia anuncia assinatura de contrato de confidencialidade para compra da vacina russa Sputnik V
    'Burocracia irracional' bloqueia uso da vacina russa Sputnik V no Brasil, diz governador da Bahia
    Venda de remédios sem eficácia contra a COVID-19 dispara: ivermectina tem salto de 557% no Brasil
    Tags:
    Ministério da Saúde, pandemia, China, Instituto Butantan, Fiocruz, Universidade de Oxford, novo coronavírus, COVID-19, vacina, Vacina CoronaVac
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar