06:31 23 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil luta contra COVID-19 no final de dezembro (60)
    141
    Nos siga no

    A presidente da Fiocruz disse hoje (22) em uma audiência realizada pela Comissão Externa da Câmara dos Deputados que a vacina da AstraZeneca contra a COVID-19 começará a ser entregue ao governo brasileiro a partir de 8 de fevereiro.

    Durante uma audiência sobre o combate à COVID-19 realizada nesta terça-feira (22) por iniciativa da Comissão Externa da Câmara dos Deputados, Nísia Trindade, que preside a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) desde janeiro de 2017, afirmou que serão entregues um milhão de doses ao Programa Nacional de Imunização (PNI) entre 8 e 12 de fevereiro de 2021, e outro milhão na semana seguinte.

    "A grande angústia da nossa sociedade é com relação ao início da vacinação. Então, vou só informar a todos que, no caso da Fiocruz, nós estaremos recebendo ingrediente farmacêutico ativo para o início da produção no mês de janeiro", disse Nísia Trindade, segundo o portal G1.

    A presidente da Fiocruz acrescentou que a meta do instituto é produzir 700 mil doses por dia a partir da terceira semana de fevereiro, mas ressaltou que ela ainda precisa ser certificada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e também necessita do próprio registro, que caberá à AstraZeneca entrar com o pedido. Apenas a partir desse processo que as vacinas começarão a ser entregues ao Programa Nacional de Imunização.

    O imunizante está sendo desenvolvido pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, no Reino Unido. De acordo com o contrato assinado pelo governo brasileiro, o país receberá o "ingrediente farmacêutico ativo" (IFA) para processar e envasar as doses na fábrica de vacinas Biomanguinhos, da Fiocruz.

    A audiência da Comissão Externa da Câmara dos Deputados também contou com uma breve participação do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. No último dia 17, o ministro chegou a anunciar que o governo receberia 24,7 milhões de vacinas contra a COVID-19 ainda no mês de janeiro, das quais 15 milhões de doses corresponderiam ao imunizante da AstraZeneca.

    Hoje (22), Pazuello disse que o país "está caminhando forte para poder ter vacinas de várias matizes" e entregar as doses "o mais rápido possível".

    "Estamos nos preparando para iniciar 2021 com a vacina. Se Deus quiser, assim que registrada pela Anvisa, [...] nós vamos vacinar a nossa população como um todo", afirmou Pazuello, segundo o G1.

    De acordo com o ministro da Saúde, a previsão é que a vacinação comece no final de janeiro, "na melhor hipótese", e em meados ou no final de fevereiro, "na pior hipótese".

    Tema:
    Brasil luta contra COVID-19 no final de dezembro (60)

    Mais:

    Instituto Butantan recebe remessa de mais 2 milhões de doses da vacina CoronaVac (VÍDEOS)
    Em entrevista ao próprio filho, Bolsonaro diz que 'pressa para a vacina não se justifica'
    Pfizer e Moderna testarão suas vacinas contra nova cepa do coronavírus
    Tags:
    COVID-19, Universidade de Oxford, vacina, Brasil, Fiocruz
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar