05:48 13 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 70
    Nos siga no

    A Polícia Civil está investigando se uma funcionária do Carrefour mentiu em depoimento sobre a morte de João Alberto de Freitas, que foi espancado por seguranças do supermercado Carrefour, em Porto Alegre, na última quinta-feira (19).

    Em depoimento, a responsável pelos seguranças da loja, Adriana Alves Dutra, afirmou que o policial militar temporário, Geovane Gaspar da Silva, que foi preso após a morte de João Alberto, era cliente da loja e não um funcionário da empresa de segurança.

    De acordo com a apuração já realizada pela investigação, Geovane Gaspar era funcionário da empresa de segurança contratada pelo Carrefour.

    "O que nós observamos é que houve declarações contraditórias. Resta até o final do inquérito [saber] se essas contradições foram motivadas por algo que se queria encobrir ou não", declarou a delegada Roberta Bertoldo, citada pelo G1.

    Adriana Alves Dutra teria declarado também que pediu várias vezes para que João Alberto de Freitas fosse solto pelos homens, o que não foi registrado nos arquivos de vídeo apurados na investigação.

    "Inicialmente se apontou que João havia agredido fisicamente uma mulher no interior do estabelecimento, mas as câmeras de segurança mostraram que não houve essa agressão, que, na verdade, houve um certo mal-entendido entre um gesto que ele teria feito a uma fiscal que decorre dessa situação, então inúmeras questões vêm sendo ditas, ou desditas, ou não comprovadas", acrescentou a delegada.

    A Polícia Civil informa que está aguardando a autorização da Justiça para ter o depoimento dos dois seguranças envolvidos na morte de João Alberto, Geovane Gaspar da Silva e Magno Braz Borges, presos desde a noite de quinta-feira (19). Eles ainda não se pronunciaram à polícia sobre o caso.

    Mais:

    Pesquisa mostra que subiu para 83% a percepção de que racismo aumentou ou se manteve em São Paulo
    Após dia de protestos contra o racismo, Beto Freitas é sepultado em Porto Alegre
    COVID-19 escancara racismo no Brasil e candidaturas negras são esperança, diz pesquisador
    Homem é espancado até a morte em supermercado Carrefour em Porto Alegre; 2 são detidos (VÍDEO)
    Mourão diz que morte em supermercado não foi racismo, porque 'no Brasil não existe racismo'
    Tags:
    supermercados, agressão, racismo, morte, Carrefour, Porto Alegre, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar