18:41 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    110
    Nos siga no

    Preços dos alimentos e bebidas pressionaram o indicador com a maior alta (2,24%) entre os grupos pesquisados. No ano, prévia da inflação acumula alta de 2,31%, e em 12 meses, de 3,52%.

    A inflação no Brasil continua subindo, segundo pesquisa divulgada nesta sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) acelerou a 0,94% em outubro. Em setembro, o indicador ficou em 0,45%.

    ​Com a recente alta, a inflação no Brasil registrou a maior taxa para o mês desde 1995, e a maior alta mensal desde dezembro do ano passado. 

    No mês de outubro, o IPCA-15 foi pressionado principalmente pelos preços dos alimentos, que registraram a maior variação (2,24%) e o maior impacto (0,45 p.p.) entre os setores da economia que foram pesquisados. Neste grupo, alimentação e bebidas, o principal responsável pela alta no segmento foi o preço das carnes (4,83%), que subiu pela quinta vez consecutiva. No ano, o aumento chega a 11,4%.

    A aceleração no grupo alimentação e bebidas deve-se especialmente ao aumento dos preços dos alimentos para consumo no domicílio, que passaram de 1,96% em setembro para 2,95% em outubro. Além da carne, destacam-se também as altas do óleo de soja (22,34%), do arroz (18,48%), do tomate (14,25%) e do leite longa vida (4,26%).

    Por outro lado, houve queda nos preços da cebola (-9,95%) e da batata-inglesa (-4,39%).

    O setor de transportes também apresentou alta, de 1,34%, e registrou a segunda maior contribuição no índice para o mês (0,27 p.p.). Já a segunda maior variação veio dos artigos de residência (1,41%), cujos preços subiram pelo sexto mês consecutivo.

    O único grupo a apresentar queda em outubro foi a educação (-0,02%). Os demais ficaram entre as altas de 0,14% em despesas pessoais, e de 0,84% em vestuário.

    O cálculo

    O Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) é considerado uma prévia da inflação oficial do Brasil.

    Para o seu cálculo, os preços foram coletados de 12 de setembro a 13 de outubro de 2020 (referência) e comparados com aqueles vigentes entre 14 de agosto e 11 de setembro de 2020 (base). O indicador refere-se às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia.

    Mais:

    Agronegócio aumentará ainda mais participação no PIB do Brasil pós-pandemia, diz economista
    Brasil é país que melhor combateu efeitos econômicos da pandemia, segundo Bolsonaro
    Recuperação do Brasil acelera mas segue insuficiente, avisa economista
    Pandemia agravou insegurança alimentar e Brasil pode voltar ao Mapa da Fome, dizem economistas
    Tags:
    bebidas, carne, consumidores, Paulo Guedes, IBGE, Jair Bolsonaro, economia, inflação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar