13:51 27 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no final de agosto (50)
    0 30
    Nos siga no

    Após cinco meses de pandemia do novo coronavírus no país, as rotas aéreas ainda operam com pouco mais de metade da capacidade de 2019, refletindo o descontrole da COVID-19 no país.

    Dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) publicados pelo portal G1 neste domingo (23) apontam que até julho deste ano apenas 56,2% das rotas aéreas no Brasil foram retomadas - um total de 231 rotas. No mesmo período de 2019, o número de trechos ativos era de 411.

    Em abril, no pior momento da pandemia na aviação civil, havia 125 rotas ativas, o equivalente a 29% das rotas ativas no mesmo período de 2019, quando eram 431 rotas. Uma rota ativa é a ligação entre dois aeroportos com oferta de pelo menos um voo regular.

    Ainda segundo o portal G1, a Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear) aponta que as decolagens no Brasil hoje estão em 30% do esperado para voos domésticos antes da crise. Já a Anac aponta que houve crescimento de 11,43% no total de aeroportos atendidos em agosto, o que pode se refletir no número de rotas ativas.

    Turistas e funcionários do Aeroporto Internacional Tom Jobim, também conhecido como Aeroporto do Galeão, na zona norte do Rio de Janeiro, usam máscaras para prevenir o contágio com o coronavírus. Turistas chineses desembarcam todos os dias no Brasil.
    © Folhapress / Fábio Teixeira
    Turistas e funcionários do Aeroporto Internacional Tom Jobim, também conhecido como Aeroporto do Galeão, na zona norte do Rio de Janeiro, usam máscaras para prevenir o contágio com o coronavírus. Turistas chineses desembarcam todos os dias no Brasil.

    A movimentação de passageiros é ainda menor. A taxa chegou a cair 90% em alguns aeroportos em determinados momentos da pandemia, e agora gira em torno de 20% do esperado normalmente para a primeira quinzena de agosto em alguns locais. É o caso do aeroporto de Salvador (20%), de Confins, que atende a capital mineira, Belo Horizonte (22,3%), e do Galeão, no Rio de janeiro (17%).

    A pandemia no Brasil segue em ritmo forte, com uma média diária de mortes girando em torno de mil mortes e a continuidade da recomendação de isolamento, apesar da reabertura econômica. Segundo os dados mais recentes do consórcio de veículos de imprensa, o Brasil registra 114.469 mortes e 3.589.469 casos de COVID-19.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil no final de agosto (50)

    Mais:

    Brasil entrou 'desequilibrado' na crise e precisa 'mudar muita coisa de uma só vez', diz economista
    Anac autoriza iFood a testar entregas com drones no Brasil
    Número de brasileiros em Portugal atinge recorde, de residentes a barrados no aeroporto
    Brasil soma 3,58 milhões de casos e 114,25 mil mortes por COVID-19
    Tags:
    Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar