07:15 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil na pandemia do coronavírus em meados de agosto (62)
    0 104
    Nos siga no

    Se testes forem positivos, vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford pode ser liberada para uso emergencial no Brasil ainda em 2020. 

    A afirmação foi feita pela coordenadora dos estudos da vacina no país, a professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Lily Yin Weckx. A situação emergencial em função da pandemia do novo coronavírus aceleraria o processo, que, seguindo o ritmo normal, terminaria em meados de 2021. 

    Os estudos da vacina de Oxford (Reino Unido) estão na fase três, quando sua eficácia é testada em humanos, considerado o último estágio antes da liberação para uso. 

    "Qual a nossa perspectiva? Se formos seguir todos os passos de desenvolvimento da pesquisa, o estudo vai terminar em junho do ano que vem. Mas, o que se espera é que, como temos vários centros estudando, com um grande número de pessoas sendo avaliadas, é que possamos fazer uma análise interina dos dados. Se essa análise mostrar que o resultado é muito positivo, é possível conseguir o licenciamento para uso emergencial", disse a média durante o  I Congresso WebHall da Escola Paulista de Medicina, segundo o jornal O Globo. 

    Quanto mais vacinas, melhor

    No Brasil, pelo menos 5.000 voluntários da área de saúde participam dos testes. Além das doses que estão sendo produzidas em Oxford, o Brasil também participa de testes de outras quatro vacinas, incluindo a desenvolvida pela chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan.

    Já o estado do Paraná assinou acordo com o Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo) para a produção da vacina Sputnik V.

    ​Segundo a pesquisadora da Unifesp, é positivo que várias vacinas se mostrem eficientes e possam ser fabricadas. 

    "O nosso estudo está indo muito bem e pretendemos que, em breve, possamos ter dados de eficácia da vacina. E essa corrida não é para ver quem vai chegar primeiro: é uma corrida contra o vírus. Para atender a humanidade, precisaremos de mais uma vacina, para assegurar que ela seja acessível para todos e não apenas para os países mais ricos", disse Lily Yin Weckx.

    Tema:
    Brasil na pandemia do coronavírus em meados de agosto (62)

    Mais:

    Profissionais de saúde do DF já podem se alistar para teste de vacina
    Estado regulará distribuição de 1ª vacina contra COVID-19 na Rússia
    Conheça 5 vacinas que cientistas russos ofereceram ao mundo antes da Sputnik V
    Tags:
    Oxford, China, vacina, Unifesp, São Paulo, Brasil, epidemia, pandemia, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar