05:12 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    367
    Nos siga no

    A Amazônia registra no início deste mês de agosto o maior número de incêndios florestais em uma década, informou a mídia Unearthed, que pertence à organização ambiental não-governamental (ONG) Greenpeace.

    Nos primeiros 10 dias de agosto, foram detectados 10.136 focos de incêndio na Amazônia, 17% a mais do que os 8.669 focos registrados no ano anterior.

    "Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil (INPE) mostram que é o maior número registrado no início de agosto ante 11.280 (focos do mesmo período) em 2010, quando ocorreu forte estiagem na Amazônia fez com que o rio Negro atingisse seu nível mais baixo em 109 anos", diz a matéria sobre os incêndios florestais de agosto na Amazônia.

    A temporada de incêndios florestais na Amazônia geralmente começa no final de julho e entra em uma fase intensa no início de agosto, explicou a mídia.

    "Um aumento nos incêndios também foi detectado em julho: houve 6.803 incêndios na Amazônia no mês passado, 28% a mais do que em julho de 2019", revelou a nota.

    Segundo especialistas citados pelo Unearthed, a Floresta Amazônica enfrenta uma tripla ameaça: o desmatamento descontrolado, o "apoio tácito do governo [do presidente Jair] Bolsonaro" e um clima mais seco que o normal. Tudo isso é capaz de "desencadear uma crise ambiental ainda pior nos próximos meses".

    Em particular, o Unearthed lembrou que o jornal O Estado de S. Paulo havia noticiado que o Ministério do Meio Ambiente decidiu cortar o número de helicópteros que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ​​(Ibama) utiliza para prevenir crimes e apagar incêndios. A agência terá à disposição quatro aeronaves em vez de seis.

    Manifestante fantasiado como Jair Bolsonaro participa de ato em defesa da Amazônia, no Rio de Janeiro
    © AP Photo / Silvia Izquierdo
    Manifestante fantasiado como Jair Bolsonaro participa de ato em defesa da Amazônia, no Rio de Janeiro

    A mídia do Greenpeace também cita Beth Uema, secretária executiva da Associação Nacional dos Especialistas em Meio Ambiente (Ascema), que alerta que o Ministério do Meio Ambiente vai mais uma vez cortar o orçamento de 2021 dos órgãos ambientais entre 20% e 25%.

    Dados do INPE indicam que entre agosto de 2019 e julho de 2020 ocorreram alertas de desmatamento em 9.205 quilômetros quadrados da Floresta Amazônica, 34,5% a mais do que entre agosto de 2018 e julho de 2019. Isso tem impacto direto sobre o aumento dos incêndios na região.

    Em 6 de setembro de 2019, os chefes de estado e representantes da Colômbia, Peru, Bolívia, Brasil, Equador, Guiana e Suriname assinaram o Pacto de Letícia pela Amazônia, cujo objetivo é coordenar as ações da comunidade internacional para a conservação daquela região.

    Mais:

    Greta recebe prêmio milionário e doa parte do dinheiro para o SOS Amazônia
    Garimpo ilegal faz subir a níveis perigosos os índices de mercúrio em peixes da Amazônia
    Estado não terá papel central no desenvolvimento sustentável da Amazônia, diz Mourão
    Tags:
    desmatamento, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Ricardo Salles, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA), Ministério do Meio Ambiente, meio ambiente, Greenpeace, Floresta Amazônica, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar