05:15 29 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil na pandemia de coronavírus no início de agosto (49)
    440
    Nos siga no

    O Congresso Nacional e o STF (Supremo Tribunal Federal) decretaram luto neste sábado (8) em homenagem aos 100.000 brasileiros mortos pelo novo coronavírus.

    O ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo, pediu para as autoridades seguirem a "fé" e a "ciência", e lembrou que todas as vítimas tinham "um nome, uma profissão, projetos e sonhos". 

    "São 100 mil vidas que certamente deixaram sua marca no mundo e na vida de outras pessoas. São filhas e filhos que não mais estarão com seus pais no dia especial de amanhã. São pais que não terão o que festejar neste domingo", disse o magistrado por meio de uma comunicado, segundo o jornal Folha de S.Paulo. 

    No Congresso, o luto será de quatro dias, enquanto no STF a homenagem durará três dias. 

    Segundo os dados do consórcio de veículos de imprensa criado para acompanhar a evolução da COVID-19, o Brasil chegou neste sábado (8) a 100.240 mortes por COVID-19 e a quase 3.000.000 de casos da doença. A primeira morte por COVID-19 no país foi registrada no dia 12 de março deste ano. O consórcio utiliza dados coletados junto às Secretarias de Saúde dos estados. Os dados oficiais do Ministério da Saúde são divulgados um pouco mais tarde. 

    Por meio do Twitter, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a marca era "absurda" e que não "podemos ficar anestesiados e tratar com naturalidade esses números".

    ​O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou que hoje era "um dos dias mais tristes da história recente" do país. 

    ​O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por sua vez, afirmou que a "doença foi desprezada por quem deveria cuidar do povo". O petista recordou o fato de o presidente Jair Bolsonaro ter chamado a COVID-19 de "gripezinha". 

    ​O ex-ministro da Justiça Sergio Moro lamentou as mortes e afirmou que não era possível se "conformar". 

    ​O ex-candidato do PDT à presidência, Ciro Gomes, acusou o governo de promover um "genocídio". 

    ​Guilherme Boulos, pré-candidato do PSOL para a prefeitura de São Paulo, afirmou que o governo não tinha "plano para a crise" e nem ministro da Saúde. 

    ​O deputado federal bolsonarista Carlos Jordy (PSL-RJ), por sua vez, criticou a "esquerda" por culpar o presidente pelas mortes. Segundo ele, governadores e prefeitos fizeram lockdown em todo país, quebrando a economia e sem salvar vidas. 

    ​O presidente da República, Jair Bolsonaro, não comentou a marca. O governo não informou se pretende decretar luto. Na quinta-feira (6), ao comentar a crise do coronavírus, o chefe de Estado disse que lamentava as mortes, mas era preciso "tocar a vida".

    Tema:
    Brasil na pandemia de coronavírus no início de agosto (49)

    Mais:

    Resfriados comuns podem ensinar sistema imunológico a reconhecer COVID-19
    Agropecuária brasileira perdeu 391 mil postos de trabalho durante pandemia da COVID-19, diz pesquisa
    OMS: Brasil é líder mundial em mortes confirmadas por COVID-19 em 24h
    Tags:
    Ciro Gomes, Guilherme Boulos, Jair Bolsonaro, Luiz Inácio Lula da Silva, Davi Alcolumbre, COVID-19, Rodrigo Maia, Senado, Câmara dos Deputados, Congresso, STF, pandemia, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar