15:07 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    O governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), decretou na sexta-feira (24) situação de emergência devido às queimadas no Pantanal, que registraram maior alta na região desde 1998. 

    Como resposta à medida, equipes do Ministério do Meio Ambiente e das Forças Armadas começaram a atuar neste sábado (25) no auxílio ao combate a incêndios no Pantanal. 

    Azambuja solicitou apoio de um helicóptero do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e de aeronaves do Exército para transporte dos brigadistas.

    O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) identificou 3.505 focos de incêndios entre 1º de janeiro e 22 de julho no Pantanal, aumento de 192% em relação a 2019 e o maior número desde o início dos registros, em 1998.

    Decreto tem validade de 180 dias

    O decreto assinado pelo governador, publicado em edição extra do Diário Oficial do estado, tem validade de 180 dias. A medida suspende as autorizações de queimadas controladas pelo mesmo período. 

    Em 2019, o Pantanal, que se estende do Brasil ao Paraguai e à Bolívia, já havia registrado um aumento de seis vezes nos incêndios em comparação com o ano anterior. 

    De acordo com o governo do Mato Grosso do Sul, os principais focos estão localizados ao longo do Rio Paraguai, próximo às cidades de Corumbá e Ladário. Segundo o sistema PrevFogo/Ibama, o fogo destruiu até o momento 300 mil hectares de vegetação nativa em Corumbá. 

    A fumaça e o baixo nível das águas fizeram com que o estado suspendesse a navegação no rio. O governo alertou ainda que a situação pode prejudicar ainda mais a saúde da população, que lida com a epidemia da COVID-19. 

    Mais:

    Incêndios crescem em junho na Amazônia e casos de COVID-19 podem se agravar na estação seca
    Ex-ministros do Brasil pedem reconstrução da economia com atenção ao meio ambiente
    Multidão de jacarés é atropelada por barqueiro no Pantanal
    Tags:
    queimadas, INPE, incêndio, Pantanal, Mato Grosso do Sul, saúde, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar