23:58 03 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil combatendo pandemia do coronavírus em meados de julho (47)
    230
    Nos siga no

    O Brasil registrou 1.966.748 casos confirmados de COVID-19 e o total de 75.366 óbitos desde o início da pandemia do novo coronavírus.

    A informação foi divulgada nesta quarta-feira (15), durante a atualização diária do Ministério da Saúde, durante um coletiva no Palácio do Planalto, informou Agência Brasil.

    Nas últimas 24h, foram registrados 39.924 novos casos, informados pelas autoridades estaduais de saúde. No mesmo período foram registradas 1.233 mortes em consequência do novo coronavírus.

    De acordo com a pasta, 635.818 pessoas estão em acompanhamento e outras 1.255.564 se recuperaram da doença.

    Os estados com mais mortes por COVID-19 são: São Paulo (18.640), Rio de Janeiro (11.757), Ceará (7.030), Pernambuco (5.772) e Pará (5.337). As Unidades da Federação com menos falecimentos pela pandemia são: Mato Grosso do Sul (183), Tocantins (271), Roraima (403), Acre (446) e Amapá (488).

    Os estados com mais casos confirmados de COVID-19 desde o início da pandemia são: São Paulo (393.176), Ceará (141.248), Rio de Janeiro (134.449), Pará (130.834) e Bahia (112.993). As Unidades da Federação com menos pessoas infectadas registradas são: Mato Grosso do Sul (14.631), Tocantins (16.031), Acre (16.672), Roraima (23.681) e Rondônia (27.917).

    O Brasil segue em 2º no ranking mundial em número de mortes e de casos confirmados de COVID-19, atrás apenas dos Estados Unidos (que possui 3,4 milhões de pessoas infectadas e 136.466 mortes desde o início da pandemia).

    Tema:
    Brasil combatendo pandemia do coronavírus em meados de julho (47)

    Mais:

    Vacina contra COVID-19 testada no Brasil pode ser liberada em junho de 2021
    Para evitar disseminação da COVID-19, Barroso veta biometria em eleições municipais no Brasil
    Bolsonaro diz que novo teste de COVID-19 deu positivo
    Tags:
    COVID-19, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar