09:11 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil combatendo pandemia do coronavírus em meados de julho (47)
    0 02
    Nos siga no

    Na terceira semana de junho, entre os dias 14 e 20, 1,3 milhão de pessoas deixaram o isolamento e retornaram ao trabalho presencial.

    Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) sobre COVID-19, levantamento semanal divulgado nesta sexta-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Segundo o instituto, na semana de referência, 13,3% da população ocupada estava afastada das funções. Na semana anterior a proporção era de 14,8%.

    A coordenadora da pesquisa, Maria Lúcia Vieira, destacou que, no início da pesquisa, na primeira semana de maio, eram 19,8%, ou 16,6 milhões de brasileiros, afastados temporariamente do trabalho presencial.

    "No acompanhamento semanal da pesquisa, verificamos estabilidade na população ocupada e na desocupada, mas uma queda no grupo de pessoas ocupadas que não estava trabalhando na semana de referência devido à pandemia. Esse movimento se repete na terceira semana de junho em relação à segunda semana, indicando uma continuação do retorno dessas pessoas às suas atividades de trabalho", destacou a pesquisadora no site do IBGE.

    O nível de ocupação estimado pela Pnad COVID-19 foi de 49,3%, num total de 84 milhões de pessoas, permanecendo estável frente à semana anterior e em relação à semana de 3 a 9 de maio. O número de pessoas sem ocupação ficou em 11,8 milhões (12,3%), estável em relação à semana anterior e aumento em relação à primeira semana de maio, quando eram 9,8 milhões (10,5%).

    Entre as pessoas ocupadas, 8,7 milhões (12,5%) estavam no trabalho remoto, número estável em relação à semana anterior e também em relação à semana de 3 a 9 de maio. A taxa de informalidade caiu para 33,9%, frente aos 35% registrados na semana anterior e 35,7% na primeira semana de maio.

    A população fora da força de trabalho ficou em 74,5 milhões de pessoas, estável em relação à semana anterior e queda de 1,7 milhão de pessoas em relação à semana de 3 a 9 de maio. Desse total, 26,4 milhões de pessoas (35,4% da população fora da força de trabalho) disseram que gostariam de trabalhar, mas a maioria não procurou trabalho por causa da crise sanitária.

    "Cerca de 17,3 milhões de pessoas fora da força que gostariam de trabalhar e não procuraram trabalho, não o fizeram por causa da pandemia ou por não encontrarem uma ocupação na localidade em que moravam. Elas correspondiam a 65,8% das pessoas não ocupadas que não buscaram por trabalho e gostariam de trabalhar. Esse contingente diminuiu em relação à semana anterior (18,2 milhões ou 68,0%) e em comparação com a semana de 3 a 9 de maio (19,1 milhões ou 70,7%)", informa o IBGE.
    Tema:
    Brasil combatendo pandemia do coronavírus em meados de julho (47)

    Mais:

    COVID-19 chega a 12 milhões de casos confirmados ao redor do mundo
    Inspeções da OMS pela origem da COVID-19 podem ocorrer em outros países, diz China
    Ratos transgênicos 'se unem' ao esforço de desenvolvimento de uma vacina para COVID-19
    Tags:
    COVID-19, IBGE, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar