00:17 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2020 (99)
    163012
    Nos siga no

    Deputado David Miranda, que junto a parlamentares do PSOL protocolou pedido de impeachment de Jair Bolsonaro, disse à Sputnik que Rodrigo Maia precisa ser pressionado para dar seguimento ao processo.

    No dia 18 de março, Miranda, Sâmia Bonfim e Fernanda Melchionna apresentaram pedido de afastamento do presidente na Câmara dos Deputados.

    O documento alega que Bolsonaro cometeu diversos crimes de responsabilidade, como convocar atos que pediam o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF) e, ao participar dessas manifestações, desrespeitar recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) em relação ao novo coronavírus.

    O pedido de impeachment agora está nas mãos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que decidirá se o levará para votação no Plenário.

    "De acordo com a pressão popular, o pedido de impeachment vai ser apreciado e nós vamos ver como vai ficar", disse Miranda à Sputnik Mundo. "Vai muito do que o Maia vai sentir de pressão", acrescentou o deputado.

    'Panelaços cada vez mais fortes'

    O pessolista disse que seu grupo de parlamentares está "levantando vários intelectuais, artistas e influenciadores" digitais para que ajudem a convencer a "sociedade civil" a apoiar o afastamento de Bolsonaro.

    "Os panelaços estão cada vez mais fortes , todos os dias, no pais inteiro", afirmou Miranda, pois para o deputado há um "descontentamento e tristeza com os absurdos que o gabinete de Bolsonaro e ele próprio fazem".

    Segundo Miranda, o discurso do presidente para que as pessoas voltem a trabalhar durante uma pandemia é um "genocídio".

    Apesar do pedido ter sido feito por três parlamentares do PSOL, a executiva do partido disse que não foi consultada sobre a iniciativa e que, embora apoie o impeachment, o momento não é o ideal.

    Além do pedido feito pelos pessolistas, o deputado Alexandre Frota, do PSDB, também protocolou documento para o afastamento do chefe de Estado junto à presidência da Câmara.

    'Bolsonaro está acabado'

    Miranda admite que, primeiro, é preciso votar medidas urgentes no Congresso para ajudar a população a atravessar a crise do coronavírus, como o auxílio para trabalhadores informais no valor de R$ 600, que foi aprovada semana passada na Câmara.

    Mas o deputado acredita que o impeachment é questão de tempo, pois, segundo ele, Bolsonaro "não está preparado para ser presidente" e vem perdendo apoio de antigos aliados, como os governadores de São Paulo, João Doria, e de Goiás, Ronaldo Caiado. 

    "Bolsonaro esta acabado,isolado, não tem mais apoio popular", disse David Miranda. 
    Tema:
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2020 (99)

    Mais:

    Por que resultado negativo para COVID-19 nem sempre significa que pessoa não esteja infectada?
    Posições de Bolsonaro colocam em xeque sua capacidade de governar o país, diz especialista
    Bolsonaro ameniza tom em pronunciamento e é alvo de mais panelaço (VÍDEOS)
    1º pedido de impeachment de Bolsonaro é apresentado por deputado
    Secretário-geral da ONU sobre pandemia: mundo enfrenta pior crise desde 2ª Guerra Mundial
    Tags:
    Jair Bolsonaro, pandemia, crise, impeachment, David Miranda, Rodrigo Maia, Câmara dos Deputados, PSOL, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar