20:14 07 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    943
    Nos siga no

    O vídeo no qual o secretário Nacional de Cultura, Roberto Alvim, faz discurso semelhante ao do ministro da Propaganda da Alemanha Nazista, Joseph Goebbles, foi criticado pela ala mais radical do bolsonarismo. 

    O ideólogo de direita Olavo de Carvalho, a quem Alvim costuma citar com um dos seus mentores, afirmou que o secretário de Cultura pode não estar "bem da cabeça". 

    "É cedo para julgar, mas o Roberto Alvim talvez não esteja muito bem da cabeça. Veremos", escreveu Olavo em sua conta no Facebook. 

    Bernardo Kuster, youtuber católico conservador que costuma defender o governo em todas as ocasiões, disse que Alvim deveria pedir demissão. 

    "Roberto Alvim cometeu um ato indesculpável. Não há solução fora da demissão. Eu o conheço e lamento dizê-lo: demita-se, para o bem do governo, do povo e, ouso dizê-lo, para o bem do próprio Alvim", afirmou pelo Twitter. 

    ​O criador do canal Terça Livre, Allan dos Santos, também lamentou o vídeo. 

    "Li o texto no original — não em sites de esquerda — de Goebbles (quem mais fez isso?). O texto é muito parecido, a escolha da música foi péssima, o semblante sisudo e a resposta não foram boas. A associação de Alvim ao nazismo é criminosa,mas ele precisa acertar isso", disse pelo Twitter. 

    ​O cineasta Josias Teófilo, que fez um filme sobre Olavo de Carvalho, também pediu a demissão do secretário de Cultura. 

    "Alvim brigou com três ministros, enganou o presidente com promessas que não poderia cumprir e fez um vídeo nazista. Tem que cair, e logo", pediu pelo Twitter. 

    ​O economista Winston Ling, que como muitos liberais apoiam o presidente Jair Bolsonaro em função das políticas do ministro Paulo Guedes, disse que era hora do governo mostrar que não era "fascista". 

    "Chegou a hora 'H' de Bolsonaro mostrar que ser de Direita não significa a mesma coisa que ser Fascista", afirmou. 

    ​A Secretaria Especial da Cultura postou na noite de quinta-feira (16) um vídeo para "promover as artes" brasileiras, no qual Alvim diz frases parecidas com discurso de ministro nazista de Adolf Hitler. 

    O vídeo gerou grande repercussão na sociedade e no mundo político. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu o afastamento do secretário nacional de Cultura. 

    Mais:

    Fala de chanceler Ernesto Araújo coloca Brasil contra o mundo, diz professor
    Olavo de Carvalho está na Idade Média, diz Haddad
    Senador insiste com CPI da Lava Toga, que divide bolsonarismo
    Entre erros e acertos: Bolsonaro entregou o que prometeu para 2019?
    Tags:
    cultura, Jair Bolsonaro, nazismo, Olavo de Carvalho, governo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar