14:33 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante o discurso no Palácio do Planalto, 1º de agosto de 2019

    Fusão de partidos 'nanicos' é vista por Bolsonaro como opção para deixar PSL, diz jornal

    © AP Photo / Eraldo Peres
    Brasil
    URL curta
    445
    Nos siga no

    A família Bolsonaro tem conversado com partidos menores no Congresso Nacional e estuda a possibilidade de uma fusão de legendas “nanicas” viabilizar a saída do presidente Jair Bolsonaro do PSL, segundo informou o jornal O Globo nesta quinta-feira.

    De acordo com a publicação, na quarta-feira o presidente da República disse a deputados que quer sair do partido, presidido pelo deputado Luciano Bivar (PSL-PE), que estaria "queimado pra caramba", nas palavras de Bolsonaro.

    Entretanto, Bolsonaro só toparia deixar o PSL após ter garantias jurídicas quanto aos mandatos dos parlamentares que o seguirem, e que os recursos financeiros da legenda, como o Fundo Partidário e Eleitoral, fossem congelados.

    Um dos alvos da família Bolsonaro – o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) têm conversado com dirigentes de outros partidos – é o Patriota, que poderia se fundir a outro partido como forma de, perante a lei, assegurar o mandato daqueles que se filiassem à nova sigla.

    Presidente Jair Bolsonaro durante coletiva de imprensa após evento do Dia da Vitória, no Rio de Janeiro
    © Sputnik / Thiago de Araújo
    Presidente Jair Bolsonaro durante coletiva de imprensa após evento do Dia da Vitória, no Rio de Janeiro

    Oficialmente, Bolsonaro recuou das críticas feitas ao PSL, chamando a polêmica da semana de "briga entre marido e mulher". Contudo, o próprio Bivar já argumentou que o presidente da República já estaria "afastado do partido".

    Também em entrevista ao jornal, o cientista político Jairo Nicolau comentou que o plano da família Bolsonaro não possui muita lógica, sobretudo quando se consideram as eleições municipais de 2020 e as majoritárias de 2022.

    "É difícil entender o que ele está querendo fazer. Só se ele estiver achando que com a mídia social e a família repetirá em 2022 o desempenho que teve em 2018. Ele não fez uma base de sustentação, agora fala em sair do partido que foi um fenômeno eleitoral por causa dele", comentou.

    Para o analista, "seria a hora mais lógica de ele consolidar o partido de extrema-direita para apoiar seu projeto".

    "Eles não gostam que se defina o grupo político como de extrema-direita, mas essa é a definição correta. O PSL terá um volume grande de recursos através dos fundos eleitorais, mais de R$ 300 milhões. E para uma eleição municipal será necessário ter tempo de TV e dinheiro", completou Nicolau.

    Coincidência ou não, a crise entre Bolsonaro e o PSL se aprofundou após uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo apontar que recursos de "laranjas" do partido teriam pago contas da campanha do próprio presidente da República.

    Mais:

    Governo Bolsonaro trata estatais como 'banca de feira' e tentará vender tudo, dizem analistas
    General Heleno reage às críticas de FHC ao governo Bolsonaro
    Pedido de 'impeachment urgente' contra Bolsonaro está no topo do Twitter
    Tags:
    eleições, reeleição, política, PMN, Patriota, PSL, Luciano Bivar, Eduardo Bolsonaro, Flávio Bolsonaro, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar