21:52 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Exportações do agronegócio somaram US$ 96 bilhões em 2017

    Dólar em alta, agronegócio em alerta: câmbio é preocupação de produtores no Brasil

    Andre Penner/AP
    Brasil
    URL curta
    414

    O novo período de safra no Brasil abre questões práticas como o acesso ao crédito para produtores e a preocupação com a cotação do dólar, que influencia diretamente a margem de lucro dos empresários do setor.

    Para explicar a questão, a Sputnik Brasil conversou com José Luiz Tejon, especialista em agronegócio e coordenador do MBA em Agrobusiness na FECAP e da francesa Audencia Business School.

    Segundo o professor e especialista, o cenário mundial de guerra comercial é considerado um dos maiores riscos para o setor, que sofre os impactos de decisões políticas sobre o preço das commodities e também do câmbio. Apesar da safra recorde no período entre 2018 e 2019, os produtores seguem preocupados diante da manutenção da valorização do dólar diante do real.

    "O câmbio é um problema grande porque na agricultura ele implica nos custos dos insumos, porque nós temos dependência de fertilizantes, de químicos [...]. E temos por outro lado, na hora da venda, também no agronegócio de exportação, uma dependência do preço na hora da venda e do câmbio", afirma.

    Com poder político dentro do Congresso Nacional e também prestigiado no Planalto, o agronegócio é considerado uma esperança para a economia brasileira. O setor vive hoje uma produção relativamente segura diante dos avanços tecnológicos, mitigando uma série de riscos. Porém, o câmbio segue sendo um fator fora do alcance do produtor, o que exige preparo.

    O especialista explica que o risco para o setor com as alterações de câmbio e de preços de commodities é conhecido, e que uma boa estratégia para se preparar é a integração entre culturas produtivas.

    "O recomendável para o nosso produtor é melhorar as práticas de plantio, partir para a integração de culturas, que não seja apostar em uma commoditie só", aponta Tejon.

    Como exemplo de precaução, o especialista aponta possibilidades como o planejamento de longo prazo, a integração com a pecuária, entre soja e arroz, além do investimento em piscicultura e outros. "Procurar uma diversificação para não ter todos os ovos na mesma cesta", aconselha Tejon.

    Em relação aos preços e variáveis de mercado, como no câmbio, Tejon aponta a importância de que os compradores dos produtos brasileiros sintam segurança no fornecedor. No caso, o Brasil costuma ser visto desta forma devido ao formato de sua diplomacia, o que porém, é algo delicado.

    "Isso é um ponto positivo para o Brasil. Desde que ele [o Brasil] não se meta em besteiras ideológicas, políticas, religiosas", explica.

    Para tal, Tejon aponta que o Brasil deve se manter como um fornecedor sério, e que se continue sem usar o setor do agronegócio para medidas políticas no cenário internacional.

    "Os Estados Unidos fazem embargos, usam embargos, têm usado o alimento como instrumento geopolítico-militar também", aponta Tejon mostrando como a política pode servir de fator de instabilidade.

    O especialista encerra a reflexão apontando que um planejamento "arrojado" pode ajudar o agronegócio brasileiro a impulsionar o crescimento econômico brasileiro.

    "A massa que pode fazer o PIB brasileiro crescer 4% ao ano, por aí, é o desenvolvimento acelerado do agronegócio", conclui.

    Mais:

    Qual o peso do comprometimento ambiental do Brasil para o acordo UE-Mercosul?
    Desmatamento da Amazônia no Brasil aumenta em 60% em junho, diz INPE
    ONU pede que Irã siga acordo nuclear por 'benefícios econômicos'
    Economia brasileira deve se manter estagnada, diz especialista
    Tags:
    Dólar, câmbio, EUA, Brasil, agronegócio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar