22:52 28 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    221
    Nos siga no

    Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Educação 2018 (Pnad Educação), divulgada nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), grande parte da população brasileira não concluiu o ensino fundamental.

    Entre outros temas, a pesquisa descobriu que, entre 2016 e 2018, foi o percentual maior de pessoas que concluíram pelo menos as etapas básicas de educação obrigatória, ou seja, pelo menos ensino médio completo.

    ​A taxa subiu de 45% em 2016 para 47,4% em pessoas com 25 anos ou mais. Em 2018, as mulheres nesta situação (49,5%) eram em maior quantidade que os homens (45%).

    As pessoas brancas somavam 55,8%, enquanto as pretas e pardas, 40,3%. Quando a análise se refere aos sem instrução, o percentual caiu de 7,8% para 6,9%.

    As diferenças regionais também foram notadas. No Nordeste, apesar do número de pessoas com ao menos a etapa do ensino básico completo ter crescido em 2018 (38,9%), ainda é baixo em relação às outras regiões.

    No Centro-Oeste é de 48,7%, no Sul ( 45,7%), no Norte (43,6%) e no Sudeste (53,6%).

    Segundo o IBGE, o brasileiro, em média, completa 9,3 anos de estudo. A média seria de 16 anos, se fossem completadas todas as etapas até o ensino superior. Homens estudam, em média, 9 anos, e as mulheres estudam 9,5 anos.

    Além disso, o estudo demonstrou diferença significativa entre negros e brancos. Os brancos, em média, estudam por 10,3 anos, enquanto os negros têm 8,4 anos de estudo. A região Nordeste é onde se verificou menos anos de estudo com 7,9 anos. A população da região Sudeste lidera as posições, com uma média de 10 anos de estudo.

    Mais:

    Chega a 13,2 milhões o número de desempregados no Brasil, diz IBGE
    IBGE: PIB do Brasil sofre queda de 0,2% no 1º trimestre
    IBGE: mulher ganha menos em todas as ocupações
    Tags:
    Pnad Contínua, pesquisa, IBGE, educação, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar