16:05 21 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) revistam moradores do complexo de favelas do Alemão no Rio de Janeiro

    'Pacote de Moro deveria se chamar pacote antipobre', diz movimento negro

    © AP Photo / Leo Correa
    Brasil
    URL curta
    10178

    Organizações do movimento negro protocolaram uma denúncia na Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre o pacote anticrime apresentado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro. A Sputnik Brasil conversou com um representante do movimento Uneafro Brasil sobre as motivações da denúncia.

    O documento, que foi entregue à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), já está em análise.

    O então juiz federal Sérgio Moro
    Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil/FotosPúblicas
    Os movimentos negros pedem um posicionamento do órgão sobre as medidas e que disponibilizem um observador internacional para acompanhar o caso no Brasil.

    De acordo com as organizações, as políticas do governo Bolsonaro aprofundam as desigualdades sociais e o genocídio negro.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o integrante da União de Núcleos de Educação Popular para Negras/os e Classe Trabalhadora (UNEAFRO Brasil, Douglas Belchior, o que motivou o movimento negro a entrar com essa denúncia contra o pacote anticrime do ministro da Justiça Sérgio Moro.

    "Esse pacote devia ser ter outro nome. Devia ser pacote a favor do crime, pacote antinegro, antipobre, porque este é o efeito prático na vida das pessoas, caso essa regulamentação avance. Existem absurdos e profundas violações de direitos humanos contidas", frisa Douglas. 

    "Você imagina que um dos artigos que Moro propõe alteração, ele estabelece que o policial em atividade não consegue compreender quem é miliante e quem não é, quem é criminoso e quem não é, quem merece um tiro e quem não merece. Então se ele eventualmente comete um erro e atira em uma pessoa que não está envolvida na ação criminosa, que isso tem que ser levado em consideração e ele deve ser inocentado por isso", acrescenta.  

    O presidente Jair Bolsonaro acena para os fotógrafos no Palácio do Planalto
    © Foto : José Cruz/Agência Brasil
    O integrante da Uneafro Brasil cita outros pontos críticos do projeto que ele classifica como "absurdos" como a "flexibilização da responsabilidade do policial em atuação, a ideia de que ele pode ser acometido de uma forte emoção e se equivocar na sua atribuição. 

    "Essa flexibilização da regra penal de alguma maneira serve como uma autorização maior do que aquela que a gente já vive informalmente no Brasil. É o país que tem a polícia que mais mata no mundo. É o judiciário que mais prende negros no mundo depois dos EUA. Então é algo que a gente não pode deixar passar batido, a gente precisa fazer este debate", argumenta. 

    Entre as organizações que assinam constam a Uneafro Brasil, o Alma Preta, Aparelha Luzia, CEERT, Cooperifa, Casa no Meio do Mundo, Desenrola e Não me Enrola, Movimento Negro Unificado, Marcha das Mulheres Negras, Núcleo de Consciência Negra na USP e Fórum Permanente de Igualdade Racial, entre outras mais de 30 entidades.

    Mais:

    Propostas de Moro podem levar à legalização das milícias, diz pesquisador
    Pacote anticrime e anticorrupção de Moro ocasiona enxurrada de tweets a favor
    Bolsonaro assina pacote anticrime de Moro
    Suspeitas de 'candidaturas laranjas' são investigadas, diz Moro em referência ao PSL
    Tags:
    pobres, pacote anticorrupção, crime, racismo, corrupção, Sérgio Moro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar