23:59 20 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    WhatsApp

    Jornalista que denunciou possível 'Caixa 2 de Bolsonaro' sofre ataques na Internet

    © Sputnik / Natalia Seliverstova
    Brasil
    URL curta
    514442

    A jornalista Patrícia Campo Mello está sofrendo ataques através de redes sociais devido à publicação de uma reportagem em que denuncia um suposto esquema de empresários e contratos milionários para publicações de notícias contra o PT via WhatsApp.

    A reportagem foi publicada na manhã desta quinta-feira (18) pelo jornal Folha de São Paulo.

    A denúncia de ilegalidade caiu como uma bomba sobre a campanha eleitoral de 2018, que já se encaminha para os finalmentes com a aproximação do segundo turno, em 28 de outubro.

    Ao longo do dia, diversas notícias a esse respeito circularam na mídia, incluindo a possibilidade de que a chapa de Bolsonaro seja cassada durante o pleito de 2018 ou depois das eleições. O PDT avalia a possibilidade de pedir a anulação das eleições deste ano.

    A jornalista que assina a matéria da Folha de São Paulo, Patrícia Campos Mello, no entanto, passou a receber ataques de apoiadores de Jair Bolsonaro nas redes sociais.

    Entre as mensagens mais agressivas, diversas citavam tags ofensivas com palavrões e um vídeo editado de 7 segundos usando um trecho de uma entrevista com a jornalista.

    O correspondente internacional da Globo News Guga Chacra saiu em defesa da jornalista, que denunciou os ataques que vem sofrendo:

    "Obrigada, Guga. Muito obrigada. Está circulando um vídeo fake news sobre mim, com uma edição desonesta, que corta na metade uma frase que eu disse. Eh bom ter profissionais como você defendendo o jornalismo", escreveu Patricia.

    Durante toda a quinta-feira (18), a hashtag #Caixa2deBolsonaro foi o assunto mais comentado no mundo dentro do Twitter. O termo repercute a reportagem da Folha de São Paulo e a possibilidade de caracterização de crime de Caixa 2.

    Ao final da tarde, a hashtag #MarqueteirosdoJair também figurou entre os assuntos mais citados da rede social, repercutindo reação de apoiadores de Bolsonaro.

    Mauro Paulino, diretor do DataFolha, cujas pesquisas eleitorais estão entre as mais repercutidas e respeitadas no Brasil, chegou a comentar o assunto, relacionando as diferenças entre as últimas pesquisas eleitorais e o resultado das urnas durante o primeiro turno.

    Tanto Bolsonaro quanto Haddad se manifestaram sobre a denúncia. O candidato do PSL chegou a falar em "apoio voluntário" em suas redes sociais na tentativa de negar as acusações.

    Já Fernando Haddad (PT) deu diversas entrevistas durante o dia afirmando que levará o caso adiante e apresentará uma denúncia à Polícia Federal. O candidato afirmou que há uma tentativa de fraude eleitoral:

    Mais:

    Estrategista de Bolsonaro: 'Quem tem o apoio de milhões não precisa pagar'
    Presença em debates só depende de Bolsonaro, dizem médicos
    Haddad diz que campanha de Bolsonaro contra PT é 'tentativa de fraude eleitoral'
    Bolsonaro e Haddad assinam documento de compromisso à Constituição
    Travesti é assassinada em SP aos gritos de 'Bolsonaro presidente'
    Tags:
    eleições 2018, Partido Social Liberal (PSL), PDT, Globo News, Folha de São Paulo, WhatsApp, PT, Patrícia Campos Mello, Guga Chacra, Jair Bolsonaro, Fernando Haddad, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik