04:03 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Ministro da Defesa, Raul Jungmann, acompanha o treinamento da Brigada de Infantaria Paraquedista para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, na Vila Militar, em Deodoro, zona oeste da capital.

    Ministro da Defesa descarta intervenção militar no Brasil

    Tomaz Silva/ Agência Brasil/FotosPúblicas
    Brasil
    URL curta
    302286325

    O ministro da Defesa, Raul Jungmann, descartou neste sábado (21) a possibilidade de haver uma intervenção militar no Brasil por conta da crise política no país.

    O ministro participou neste sábado de uma cerimônia que marcou o fim da operação do Brasil na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) e conversou com jornalistas sobre os rumores da participação militar no contexto político do país alimentados por alguns setores da sociedade. 

    “Existe paz e tranquilidade dentro dos quartéis e nas Forças Armadas. Resumo o que as Forças Armadas entendem para o momento da seguinte maneira: dentro da Constituição, tudo, fora da Constituição, absolutamente nada”, afirmou o ministro, descartando a possibilidade de uma intervenção militar no Brasil. 

    “Para que intervenção militar? Para resolver o problema da Previdência? Para resolver o problema democrático, que está resolvido? Para resolver o problema da inflação, que está sendo resolvido? Para resolver o problema do desemprego, que está caindo? Para que intervenção militar, se o Brasil está sendo passado a limpo? Temos a Lava Jato, que está punindo aqueles que são responsáveis pela corrupção”, acrescentou. 

    Jungmann declarou ainda que o Brasil vive um momento bom em que os corruptos estão sendo punidos, e que a situação atual do país é de democracia. 

    Mais:

    'Intervenção militar não é solução para o Brasil', diz substituto de Mourão no RS
    Operação Paraná: major paraguaio comenta exercício militar conjunto de Brasil e Paraguai
    General sugere intervenção militar no Brasil e é alvo de críticas no Exército (VÍDEO)
    Jornal alemão acusa Volkswagen de ter apoiado ditadura militar no Brasil
    Tags:
    democracia, crise política, intervenção militar, Defesa, Raul Jungmann, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik