17:25 21 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Desmatamaento da Amazônia (foto de arquivo)

    Pesquisador do Imazon aponta que desmatamento na Amazônia só cresce

    © AP Photo/ Andre Penner
    Brasil
    URL curta
    2455101

    O presidente Michel Temer (PMDB) procurou expressar ao mundo que o seu governo é um aliado na demanda mundial pela preservação da Amazônia. Para isso, citou um dado de que o desmatamento da floresta caiu 20%. Entretanto, o dado é impreciso, segundo pesquisadores que monitoram diariamente a área. Pior: a tendência é de crescimento.

    Na terça-feira, Temer afirmou, em seu discurso de abertura da Assembleia Geral da ONU, em Nova York, que "os primeiros dados disponíveis para o último ano já indicam diminuição de mais de 20% no desmatamento na Amazônia".

    O índice usado pelo presidente é do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) e, em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, o pesquisador Antônio Victor Fonseca, coordenador do Boletim de Monitoramento do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) da instituição, criticou a suposta precisão apontada por Temer.

    "O dado referenciado de 20% é em comparação aos alertas mensais de desmatamento do calendário de 2017 [de agosto a julho], em comparação com o de 2016. A base de dados gerados pelo Imazon não são a taxa oficial de desmatamento da Amazônia, que é gerado pelo INPE. É outra metodologia, com imagens de satélite. Não medimos a área desmatada, e sim apontamos tendências", afirmou.

    Até o dia 20 de cada mês, o Imazon divulga levantamentos sobre tendências de crescimento ou queda do desmatamento na Amazônia. O último boletim do instituto, de julho de 2017, mostrou que o desmatamento na floresta caiu 21%, mas por outro lado ele subiu em 22% em unidades de conservação.

    De acordo com Fonseca, além da imprecisão do contexto e do dado apresentado por Temer na Assembleia Geral da ONU, os recentes indicativos do governo federal batem de frente com a ideia de que exista um trabalho em prol da diminuição do desmatamento da Amazônia.

    A polêmica em torno da Reserva Mineral de Cobre e seus Associados (Renca) é um exemplo. No seu último boletim, o Imazon apontava justamente a preocupação quanto o aumento do desmatamento em áreas de conservação ou terras indígenas. 

    "Já há uma tendência de desmatamento em áreas de proteção na região amazônica. É um fato preocupante, até pela importância fundamental na questão da diversidade, e a gente observa a perda florestal ao longo dos anos, associada aos projetos de lei que defendem a redução ou extinção de algumas reservas de conservação. Isso chama a atenção e serve de alerta", avaliou o pesquisador.

    Uma avaliação cabal acerca do desmatamento na Amazônia virá nas próximas semanas, quando o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) deverá soltar o seu balanço anual a respeito do assunto. Segundo o índice mais recente (2015-2016), houve um aumento de 27% do desmatamento da floresta.

    Mais:

    Patrimônio de US$ 23 trilhões, Amazônia está abandonada, diz comandante do Exército
    Temer x Amazônia: ameaça ao meio ambiente ou à soberania nacional?
    'Para a Amazônia não virar deserto': Ativistas protestam contra a extinção de Renca
    Tags:
    Amazônia Legal, Renca, degradação, biodiversidade, desmantelamento, meio ambiente, 72ª Assembleia Geral da ONU, Imazon, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), ONU, Antônio Victor Fonseca, Michel Temer, Floresta Amazônica, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik