18:56 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    O deputado Jair Bolsonaro fala à imprensa sobre o requerimento que fez ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar pedindo sua convocação para prestar esclarecimentos sobre as declarações que fez em um programa de TV

    Jair Bolsonaro faz ataque homofóbico contra jornalista vencedor do Pulitzer

    © Foto : Renato Araújo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    571333

    O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) se envolveu em uma nova polêmica nesta semana, desta vez no Twitter. Pré-candidato às eleições presidenciais em 2018, o parlamentar lançou mão da homofobia contra um jornalista vencedor do prêmio Pulitzer.

    Na segunda-feira, o jornalista estadunidense Glenn Greenwald, fundador da revista digital The Intercept, comentou elogios que Bolsonaro recebeu do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O democrata disse que o ex-capitão do Exército "é muito competente".

    Respondendo a um internauta, Greenwald chamou Bolsonaro de "cretino fascista, por razões que nada tem a ver com os elogios de Maia". A referência do jornalista diz respeito ao fato do presidenciável defender a ditadura militar e possuir posições polêmicas contra minorias.

    Bolsonaro tomou ciência da discussão em torno do seu nome e atacou o jornalista, fazendo o que considerou uma piada com a orientação sexual de Greenwald, que é casado com o também jornalista brasileiro David Miranda.

    Com a frase 'burn the donut', o deputado fez alusão ao sexo anal entre homossexuais, dizendo em seguida: "Não me preocupa. Seja feliz! Abraços!".

    O jornalista então resgatou uma entrevista de Bolsonaro, dada a David Miranda em 2015, na qual o parlamentar criticava o interesse de casais homossexuais em adotar crianças. "Se você quer um bebê, porque não procura uma barriga de aluguel?", emendando em seguida: "Não se preocupe, logo os homossexuais poderão ter um útero implantado e então poderão ter um bebê".

    Além de defensor da ditadura e da tortura no Brasil, Bolsonaro se envolveu em polêmicas com relação a negros, índios e mulheres. Recentemente, foi condenado pela Justiça por declarações ofensivas contra a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), a qual o deputado disse que não estupraria por ser "muito feia".

    Mais:

    Bolsonaro leva ovada em Ribeirão Preto (VÍDEO)
    Bolsonaro cria 'saia justa' e não confirma ser presidenciável em 2018
    Jornal: Bolsonaro só aprovou 3 propostas em 26 anos. E uma delas custará R$ 2,5 bi ao país
    Tags:
    ditadura militar, LGBT, política, homofobia, Eleições 2018, Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, David Miranda, Glenn Greenwald, Maria do Rosário, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik