18:51 18 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Luiz Inácio Lula da Silva

    Moro põe Lula mais uma vez no banco dos réus por sítio de Atibaia

    AP Photo / Eraldo Peres
    Brasil
    URL curta
    55109

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva virou réu mais em uma vez em novo processo por conta do sítio de Atibaia. A denúncia do Ministério Público Federal por corrupção e lavagem de dinheiro foi aceita nesta terça-feira (1º) pelo juiz federal Sérgio Moro.

    Segundo o Ministério Público Federal (MPF), foram realizadas obras no sítio de Lula no valor de R$ 1,02 milhão por propina de contratos entre a Petrobrás e a Odebrecht e a OAS. 

    “Os elementos probatórios juntados pelo MPF e também colacionados pela Polícia Federal permitem, em cognição sumária, conclusão de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comportava-se como proprietário do Sítio de Atibaia e que pessoas e empresas envolvidas em acertos de corrupção em contratos da Petrobrás, como José Carlos Cosa Marques Bumlai, o Grupo Odebrecht e o Grupo OAS, custearam reformas na referida propriedade, tendo por propósito beneficiar o ex-Presidente”, diz a denúncia.

    Lula nega as acusações, alegando que o imóvel está no nome de sócios de um dos seus filhos. 

    “Por outro lado, não há qualquer registro de que o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha pago qualquer valor por essas reformas realizadas no Sítio de Atibaia”, observou o juiz Sérgio Moro. 

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado em 12 de julho a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Lava Jato.  

    Mais:

    Lula tem R$ 9 milhões em aposentadoria bloqueados por Moro
    Lula tem R$ 606 mil bloqueados por ordem de Sérgio Moro
    Lula compara Moro a 'czar' e culpa Cunha e elite por impeachment e corrupção (VÍDEO)
    Moro x Lula: condenação ou cassação? – aliados e opositores debatem
    Tags:
    acusação, corrupção, OAS, Odebrecht, Sérgio Moro, Luiz Inácio Lula da Silva, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik