06:00 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Governador do RJ, Pezão

    Coronel da PMERJ: 'Pedir policiamento ostensivo é não saber nada de segurança pública'

    Fernando Frazão/ Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    Operação militar contra violência no Rio (10)
    1960

    Depois de 'estender o pires' em Brasília e anunciar um suposto envio de 800 homens do efetivo federal para reforçar a segurança - homens estes que já chegaram há meses -, o governador do estado Luiz Fernando Pezão pediu policiamento ostensivo. Mas é esta a solução para o caos instalado no Rio de Janeiro?

    Afastado do trabalho por recomendações médicas, Pezão viajou à capital federal na quinta e saiu da reunião com o presidente Michel Temer com a promessa de uma solução para o avanço da criminalidade no Rio de Janeiro. Chegou a anunciar um reforço que, na verdade, já trabalha na cidade há meses e declarou "não ser especialista no assunto", cobrando policiamento ostensivo para conter a onda de violência no estado.

    Mas seria o policiamento a melhor solução? O coronel Robson Rodrigues acredita que não.  Ex-chefe do Estado-Maior da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e parte da corporação desde 1985, Rodrigues criticou duramente a fala do governador e o aparente desconhecimento de como o efetivo policial atua. "Ele vem dizer que não é especialista, mas deveria ser. Ou pelo menos [ter] alguém para deixá-lo mais assessorado", critica.

    Para o militar, o simples desconhecimento de Pezão da atuação das forças federais na segurança pública do Rio de Janeiro já denota que só isso não surte efetivo e/ou não teve o impacto desejado. O coronel acredita que as autoridades do Estado se acostumaram com a ideia do Rio em estado de fartura, "prestes a receber uma Copa e uma Olimpíada" e que já passou da hora de aprender a gerir os recursos agora escassos "com eficiência e criatividade".

    "A solicitação é de policiamento ostensivo, você não tem um pedido de aumento do efetivo da Polícia Federal, a única que pode dar um suporte de inteligência […] em crimes que ultrapassam a competência dos estado, como contrabando, narcotráfico […]. É sinal que você não conhece nada de segurança pública porque existe um conjunto de ações que pode  ser utilizado antes mesmo desse recurso que é caro. Quando você pede policiamento ostensivo, você está reproduzindo uma análise de senso comum e essa conta não vai fechar", avalia.

    Responsabilidade federal

    Mas a responsabilidade, avalia o militar, não recai apenas sobre os ombros do Estado. Sendo o narcotráfico um crime de responsabilidade da União, também é função de Brasília se articular e reforçar o monitoramento da cidade. E eles bem tentaram: em junho, Temer anunciou que o Rio de Janeiro seria a primeira cidade a ver implantado o Plano Nacional de Segurança Pública, uma ideia que pretendia combater a criminalidade com "ações planejadas, não pirotécnicas" nas palavras do próprio presidente.

    Afirmando se tratar de "um experimento concentrado" com base em situações sistematizadas em "outras várias cidades brasileiras", Temer prometeu "uma produção operacional mais intensa" no estado. Palavras tão bonitas quanto vazias. Desde então, as ações não foram divulgadas porque, na visão do governo nacional, trata-se de "um plano a longo prazo". Nenhuma mudança perceptível foi sentida pelo fluminense comum até o momento.

    "Todo plano tem início, meio e fim, não justifica isso de dizer que é a longo prazo. Este governo que está aí há mais de um ano está brincando com segurança pública, estão relegando o tema a segundo plano na agenda federal e isso é brincar com um país que produz 60 mil homicídios ao ano", critica Rodrigues, recomendando maior sincronia entre  os entes federativos municipal, estadual e nacional.

    Enquanto isso não ocorre, Pezão voou de Brasília direto para Penedo, onde desde domingo se recupera em um spa com valores semanais que giram entre R$14 e R$27 mil de acordo com o Jornal O Globo. Em resposta à publicação, a assessoria de imprensa do governador disse que se trata de uma clínica e que "ele pode morrer se não se tratar". Completa dizendo que o governador está "sofrendo com o atraso dos servidores".

    Tema:
    Operação militar contra violência no Rio (10)

    Mais:

    PM mata 5 pessoas no 3º dia de busca por traficante resgatado de hospital no Rio
    Polícia procura homens que invadiram hospital olímpico e resgataram traficante no Rio
    Tags:
    Plano Nacional de Segurança Pública, Copa do Mundo de 2014, Jogos Olímpicos, Rio 2016, Estado-Maior da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, União, Jornal O Globo, Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, Polícia Federal, Robson Rodrigues, Michel Temer, Luiz Fernando Pezão, Penedo, Brasília, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar