23:18 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Antigo prédio do Jornal Hoje em Dia ocupado por manifestantes em BH

    Prédio citado em delação da JBS sobre Aécio é ocupado por jornalistas em Minas Gerais

    © Foto : Ísis Medeiros/Ocupa Predinho/Divulgação
    Brasil
    URL curta
    640

    O edifício do Jornal Hoje em Dia foi comprado pela JBS pela cifra de R$17 milhões e, de acordo com Joesley Batista, o dinheiro teria sido repassado ao senador afastado Aécio Neves na forma de caixa 2. Jornalistas demitidos no ano passado cobram pagamento de dívidas trabalhistas com o dinheiro da venda.

    Senador Aécio Neves fala à imprensa, no Palácio do Planalto, após encontro com o presidente Michel Temer.
    © Foto : Valter Caampanato/Agência Brasil
    De acordo com o Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais, um grupo de 150 trabalhadores (jornalistas, gráficos e funcionários da administração) demitidos do jornal querem que o dinheiro recebido pela venda do edifício localizado no bairro Santa Efigênia, região leste de Belo Horizonte, seja usado para quitar passivos trabalhistas. Os R$17 milhões provenientes da venda foram bloqueados na justiça, mas o dinheiro nunca foi encontrado.

    À época, funcionários de folga ou férias foram avisados por telefone estavam sendo demitidos. Fontes disseram à Sputnik em condição de anonimato que, em algumas negociações mediadas pelo Ministério do Trabalho, foram oferecidos apenas R$500 como indenização a jornalistas que trabalhavam há anos no jornal. Veja trecho da delação de Joesley sobre a compra do edifício.

    A demissão aconteceu durante a venda da publicação pelo Grupo Bel ao ex-prefeito de Montes Claros, Ruy Muniz. Dono de várias universidades e hospitais, Muniz foi preso em abril de 2016 durante a Operação “Máscara da Sanidade II” por supostamente desviar verbas da saúde pública para hospitais particulares próprios.

    O ex-prefeito e a mulher, a deputada Federal Raquel Muniz, também foram alvos da operação "Véu Protetor", acusados de fraudes tributárias e previdenciárias, estelionatos qualificados, desvio de recursos de entidades beneficentes de assistência social e de verbas públicas federais.

    "A negociação entre o político [Aécio Neves], o empresário [Joesley Batista] e os antigos e atuais donos do jornal lesou os trabalhadores, que ficaram sem emprego, sem as indenizações trabalhistas e lutam na Justiça para receberem o que lhes é de direito", disse o presidente do Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais, Kerisson Lopes.

    De acordo com as mesmas fontes ouvidas pela Sputnik, os funcionários contaram com a ajuda do MST e do movimento social "Levante" na ocupação. Portas do prédio, que até então permanecia fechado desde a mudança do jornal para a nova sede no bairro Prado, foram arrombadas em torno das 6h.

    Nem o grupo Soebrás, pertencente ao prefeito Ruy Muniz, nem a J&F se manifestaram sobre o assunto até o momento.

    Mais:

    Ministro Marco Aurélio será o relator de inquérito contra Aécio Neves no STF
    'Só trafico drogas', diz senador Zezé Perrella em conversa com Aécio Neves
    Defesa de Aécio diz que STF romperá com princípios constitucionais se prender o senador
    Ministro Fachin divide investigações de Michel Temer e Aécio Neves
    Tags:
    Operação Máscara da Sanidade II, Operação Véu Protetor, Levante, Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais, J&F, Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), Ministério do Trabalho, Polícia Federal, Sputnik, Kerisson Lopes, Ruy Muniz, Raquel Muniz, Aécio Neves, Prado, Santa Efigênia, Minas Gerais, Belo Horizonte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik