08:39 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    11457
    Nos siga no

    O estudante de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiânia (UFG), Mateus Ferreira, participou da manifestação da greve geral em Goiânia na última sexta-feira (28). Ele sofreu um traumatismo cranioencefálico e diversas fraturas após um policial o golpear com um cassetete na cabeça.

    Segundo o boletim médico divulgado hoje, o estudante está internado em estado grave no Hospital de Urgências de Goiânia e respira por aparelhos. 

    Um vídeo divulgado nas redes sociais mostrou o momento exato da agressão policial. Mateus foi agredido enquanto corria junto com a dispersão do ato após a polícia jogar bombas de gás lacrimogênio. As imagens mostram claramente os policiais agredindo diversos manifestantes de forma deliberada. 

    A Universidade Federal de Goiânia publicou uma nota condenando a ação policial durante o ato da greve geral, classificando-a como "barbárie".  

    "Mateus sofreu uma agressão unilateral, criminosa e irracional por parte de um profissional que, investido em suas funções segundo o regime artigo 144, parágrafo 5o, da Constituição da República para manter a ordem, promoveu a ilicitude e a barbárie na manhã do dia 28 de abril, incorrendo arbitrária e imotivadamente contra os direitos fundamentais e a integridade físico-corporal de um cidadão", diz a nota. 

    Milhões de pessoas foram às ruas em todo o país na última sexta-feira para protestar contra as reformas trabalhista e da Previdência do governo de Michel Temer. Todos os estados brasileiros receberam protestos. 

    Mais:

    O que os políticos de esquerda e direita estão falando sobre a greve geral
    Greve Geral: Temer critica bloqueio de vias em atos e reafirma compromisso com reformas
    'Recado foi dado a Temer', diz líder do MTST sobre greve geral
    Greve Geral: Manifestantes e polícia entram em confronto no Rio (VÍDEOS)
    Tags:
    estudante, protesto, agressão, manifestação, greve geral, Michel Temer, Goiânia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar