10:08 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Aécio Neves, citado nas gravações das conversas entre Romero Jucá e Sérgio Machado como o primeiro a ser comido caso a Lava-Jato prosseguisse

    Entre amigos: FHC defende Aécio Neves após sétima citação na delação da Lava Jato

    Marcos Oliveira/ Agência Senado/ FotosPúblicas
    Brasil
    URL curta
    17217

    Após o senador Aécio Neves (PSDB) ser citado pela sétima vez nas delações da Odebrecht na última quinta-feira (2), o ex-presidente Fernando Hernique Cardoso (FHC) saiu em defesa do tucano, afirmando que acusações são "notícia alternativa".

    Segundo relato da delação divulgado na última quinta-feira, o ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, afirmou que construtora repassou dinheiro por meio de caixa 2 para abastecer campanhas de políticos do PSDB, e que Aécio Neves teria pedido 15 milhões de reais no final do primeiro turno da campanha eleitoral de 2014. 

    Após a veículação da notícia na mídia, FHC publicou uma nota criticando a imprensa e defendendo Aécio Neves. 

    "Parte do noticiário de hoje sobre os depoimentos da Odebrecht serve de sinal de alerta. Ao invés de dar ênfase à afirmação feita por Marcelo Odebrecht, de que as doações à campanha presidencial de Aécio Neves, em 2014, foram feitas oficialmente, publicou-se a partir de outro depoimento que o senador teria pedido doações de caixa dois para aliados", diz FHC. 

    O ex-presidente afirmou que o senador "não fez tal pedido" e "o depoente não fez tal declaração em seu depoimento ao TSE". 

    ​"Ademais, independentemente do noticiário de hoje tratar como iguais situações diferentes, não é o caminho para se conhecer a realidade e poder mudá-la", diz a nota. 

    "A desmoralização de pessoas a partir de 'verdades alternativas' é injusta  e não serve ao país. Confunde tudo e todos", acrescenta.

    Cardoso afirmou também que "a palavra de um delator não é prova em si, apenas um indício que requer comprovação". 

    O valor mencionado por Marcelo Odebrecht coincide com a planilha da da construtora apreendida pela Lava Jato que revela um repasse de 15 milhões de reais de propina para Aécio Neves, apelidado na planilha de "mineirinho'.

    Mais:

    Moro condena mais cinco na Lava Jato
    Se aceito na CCJ, Alexandre de Moraes promete isenção na Lava Jato
    Lava Jato afeta empresas brasileiras no Peru
    PF afirma que incêndio em Superintendência não prejudica Lava Jato
    Tags:
    delação premiada, Operação Lava Jato, Odebrecht, Fernando Henrique Cardoso, FHC, Aécio Neves, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik