03:15 21 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    057
    Nos siga no

    A Justiça concedeu prisão domiciliar para 161 presos em Roraima após o massacre na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, que resultou na morte de 33 detentos.

    O pedido para a decisão liminar foi requisitado pela Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil em Roraima (OAB-RR). De acordo com a decisão, os detendos ficarão em casa entre os dias 7 e 13 de janeiro. 

    "Tendo em vista o massacre do último dia 6 na Pamc e das constantes fugas de internos, os denunciantes relatam que estão sofrendo ameaças de morte diariamente. As ameaças são externas e de facções do crime organizado(…). A estrutura física do CPP [Centro de Progressão Penitenciária] não oferece a mínima segurança para os reeducandos e agentes carcerários. O plantão do CPP é composto 4 quatro agentes, na maioria da vezes dois homens e duas mulheres, impossibilitando assim qualquer reação de investidas externas", diz um trecho do documento do diretor do CPP, Wlisses Freitas, que serviu de base para o pedido da Comissão. 

    Segundo os juízes, "o Estado tem o dever de zelar pela integridade física e moral de qualquer pessoa sob sua custódia, notadamente aqueles recolhidos em unidades prisionais estatais". 

    Foi destacado também que o próprio diretor da unidade admitiu não ter como garantir a segurança dos detentos.

    Mais:

    Governo de Roraima se diz surpreso com massacre de presos em Boa Vista
    ONU pede investigação imediata do massacre no presídio de Manaus
    Secretário de Temer sobre massacre em presídio: 'Tinha era que matar mais'
    Tags:
    Brasil, Roraima, segurança, massacre, presídio, presos, detentos, prisão domiciliar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar