11:53 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Comissão Especial do Impeachment 2016 realiza reunião de instalação e eleição do presidente e do relator. Na foto: Os senadores Aloysio Nunes Ferreira  (PSDB-SP) e Cássio Cunha Lima (PSDB-PB).

    PSDB, DEM e PPS devem entrar no STF contra manutenção de direitos políticos de Dilma

    Marcos Oliveira/ Agência Senado
    Brasil
    URL curta
    949
    Nos siga no

    O líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), anunciou nesta quinta-feira (1) que o partido voltou atrás e decidiu ingressar com um mandado de segurança coletivo no Supremo Tribunal Federal contra a divisão da votação do impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff, informou Agência Brasil.

    O instrumento jurídico será assinado também pelo DEM e pelo PPS.

    Ontem, os senadores dividiram a votação do julgamento de Dilma em duas partes. Na primeira, condenaram a presidenta por crime de responsabilidade à perda do mandato. Na segunda, rejeitaram a sanção de perda da função pública por oito anos, permitindo que Dilma volte a atuar no setor público, inclusive como gestora, se for o caso.

    Para os senadores tucanos, a segunda decisão do Senado não poderia ter sido aprovada, uma vez que a sanção de perda da função pública faz parte da condenação no impeachment. No entanto, ontem, segundo Cunha Lima, o PSDB e o DEM tinham entendido que a vitória maior tinha sido conquistada com o afastamento definitivo de Dilma e tinham decidido não questionar a segunda votação no STF.

    Hoje, no entanto, os senadores mudaram de posição depois que o PT acionou a Suprema Corte questionando todo o julgamento e pedindo sua nulidade.

    Mais:

    Dilma recorre ao Supremo e pede anulação do impeachment
    Dilma Rousseff se mudará para Porto Alegre até o fim de semana
    Especialista:'Dilma tem possibilidade legal de recorrer ao STF'
    Impeachment é aprovado mas Dilma não perde direitos políticos
    Tags:
    impeachment, STF, PPS, DEM, PSDB, Cássio Cunha Lima, Dilma Rousseff, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar