06:13 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Vila Olímpica Rio 2016

    Fiscais identificam 3.500 trabalhadores irregulares em instalações da Vila Olímpica

    Beth Santos/ PCRJ
    Brasil
    URL curta
    18311

    Auditores fiscais e servidores do Ministério do Trabalho (MPT) constataram irregularidades na contratação de trabalhadores em bares e lanchonetes nas instalações olímpicas do Rio de Janeiro.

    De acordo com a Agência Brasil, a ação fiscal, realizada na segunda-feira (8) e terça-feira (9) em conjunto com o MPT, identificou cerca de 3.500 contratações irregulares. As empresas envolvidas foram convocadas para adequação de procedimentos e poderão ser autuadas.

    Revelou-se que empregados exercem jornadas de trabalho sem controle efetivo de duração e recebem alimentação inadequada, como sanduíches e salgadinhos, precisando, em alguns casos, sentar no chão para realizar as refeições. Em algumas instalações, os trabalhadores não possuem assentos para descanso e trabalham em quiosques sem cobertura.

    As empresas responsáveis pelos trabalhadores foram convocadas para prestar esclarecimentos em reuniões e assinar um Termo de Ajuste de Conduta (TAC). Até o momento, não nenhum auto de infração foi lavrado. As empresas terão que cumprir as medidas estabelecidas e as recomendações também serão encaminhadas ao Comitê Rio 2016.

    Entre as recomendações, estão a garantia do acesso de trabalhadores a refeitório, instalação de água em local de fácil acesso, fornecimento de alimentação saudável e adequada no mínimo duas vezes por dia, para jornadas de oito horas e assentos para descanso em locais que possam ser utilizados por todos os trabalhadores durante as pausas.

    O Ministério do Trabalho tem sete equipes de Auditores-Fiscais do Trabalho em atuação durante o megaevento. Até o fechamento desta reportagem, o Comitê Olímpico Rio 2016 não havia se pronunciado a respeito.

    Tags:
    trabalho irregular, fiscalização, Vila Olímpica, Jogos Olímpicos, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik