00:51 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Vice-presidente do Brasil Michel Temer

    Sugestões Mirabolantes de Nomes Perfeitos para os Ministérios de Temer

    © AP Photo / Eraldo Peres
    Brasil
    URL curta
    Impeachment no Senado (104)
    29157
    Nos siga no

    Como está difícil acompanhar o nível de surrealismo na política brasileira, resolvemos entrar na brincadeira e imaginar alguns nomes “adequados” para formar o eventual governo capitaneado por Michel Temer. Afinal, se ontem o vice já afirmou que a aliança com o PSBD será “vital” em sua gestão, a realidade pode mesmo acabar superando a imaginação.

    Em reunião nesta quarta-feira (27) com o presidente do Senado, Renan Calheiros, Temer deixou claro que quer a presença do PSDB em seu governo, caso a presidenta seja mesmo afastada. Nos últimos dias, segundo o Jornal do Brasil, “interlocutores têm dito que Temer quer levar ‘o PSDB inteiro’ para o governo”. Mesmo com o país entrando em convulsão contra a “corrupção”. Mesmo que os políticos do PSBD e do PMDB, além dos do DEM, liderem de longe rankings de cassações por corrupção eleitoral, muito mais do que o PT. E mesmo que Dilma, de fato, não tenha cometido nenhum crime de responsabilidade comprovado que pudesse justificar o impeachment, no que pese toda a campanha midiática para afirmar o contrário.

    Deixando claro que se trata obviamente de uma piada – não muito engraçada, talvez, dada a gravidade do futuro que se desenha para a população com o avanço do processo de impeachment – vamos às nossas "sugestões":

    Ministério da Educação: Geraldo Alckmin (PSBD)

    O governador de São Paulo não hesitou em mandar a Polícia Militar reprimir, com muita violência, os estudantes que reivindicavam educação pública de qualidade e que protestavam contra o fechamento de escolas em dezembro do ano passado, e ainda por cima sua gestão está no centro do escândalo da “Máfia da Merenda”. Ou seja: experiência ele tem de sobra para lidar com as questões da pasta.

    Ministério de Minas e Energia: José Serra (PSDB)

    Serra já é um dos mais cotados pela turma de Michel Temer para assumir um cargo no eventual governo pós-Dilma, mas dada a sua evidente dedicação, comprovada em documentos vazados pelo WikiLeaks, para mudar a legislação do pré-sal em favor das petroleiras internacionais, achamos que o tucano é o homem certo para o momento.

    Ministério da Justiça: Eduardo Cunha (PMDB)

    Este dispensa apresentações. Depois de virar réu e de ter suas contas secretas na Suíça reveladas ao mundo, além de ter uma infinidade de outras acusações pesando-lhe sobre as costas, e mesmo assim ter conseguido presidir incólume a aprovação da abertura do pedido de impeachment contra Dilma, o presidente da Câmara dos Deputados já mostrou que sabe como ninguém dobrar os mecanismos da lei a seu favor.

    Ministério da Defesa: Jair Bolsonaro (PP)

    O deputado federal, mais conhecido como “Bolsonazi” pelos inimigos, levou um cuspe na cara e foi denunciado até no Tribunal Penal Internacional de Haia por seu discurso aberrante na votação do impeachment na Câmara, quando teceu louvores a um reconhecido torturador da ditadura militar no Brasil. Podia ser um bom nome para a pasta de Direitos Humanos também, mas já que a tendência da Guerra Fria parece estar voltando com tudo, precisaremos de alguém decidido para fazer frente à "ameaça comunista" que ronda o Brasil, principalmente porque nossos vizinhos bolivarianos da América do Sul não vão descansar na tarefa da infiltração vermelha.

    Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos: Marco Feliciano (PSC)

    Já que Bolsonaro estará ocupado na caça aos comunistas, pensamos que o pastor evangélico, sempre polêmico em suas declarações sobre os direitos dos homossexuais e das mulheres, sempre certo de que “o meu Jesus [isto é, o dele] não foi feito para ser enfeite de pescoço de homossexual, nem de pederasta, nem de lésbica”, parece ser um bom substituto para assumir a tarefa.

    Ministério da Cultura: Lobão (sem partido)

    Esta é sugestão do professor Guilherme Boulos, em artigo na Folha de S. Paulo, e devemos concordar com ele: o cantor praticamente nasceu para ocupar o cargo em um governo formado após a derrubada de Dilma. Incansável em sua militância política nas redes sociais, Lobão é a figura certa para impedir que artistas ~petralhas~ como Chico, Caetano e Gil dominem as mentes das novas gerações.

    Tema:
    Impeachment no Senado (104)

    Mais:

    Movimentos sociais realizam protestos contra impeachment em diversas cidades do país
    MST e CUT preparam manifestações pela democracia e contra o impeachment em 1º de maio
    Mujica abre Marcha pela Democracia em Minas Gerais: "sou brasileiro de coração"
    Tags:
    política, comunistas, nomes, sugestões, ministérios, golpe, impeachment, PT, PSDB, PMDB, Lobão, Marco Feliciano, José Serra, Geraldo Alckmin, Jair Bolsonaro, Eduardo Cunha, Dilma Rousseff, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar