23:17 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4188
    Nos siga no

    Pequim exortou Manila há três anos a não mudar os termos do pacto de defesa militar com os EUA, que Washington pretendia rever, segundo relato do ministro da Defesa das Filipinas.

    A China já pediu às Filipinas que o país não revisasse o Tratado de Defesa Mútua (MDT, na sigla em inglês) que tem com os EUA, relatou na quinta-feira (30) a agência britânica Reuters, citando o ministro da Defesa filipino.

    "Enquanto os EUA saúdam a ideia de revisar o MDT, uma parte externa não saúda", disse o ministro, referindo um episódio que teria ocorrido em 2018.

    "O ex-embaixador chinês veio até mim e disse: 'Por favor, não toque no MDT'. Deixe ele estar como está", contou Lorenzana à Reuters.

    O alto responsável das Filipinas teria perguntado a razão desse pedido.

    "Ele disse que qualquer tentativa de revisão do MDT seria interpretada pelo governo chinês como um ato para conter a ascensão da China", referiu o ministro da Defesa.

    Perguntado como ele respondeu, Delfin Lorenzana disse: "Eu apenas olhei para ele e sorri". De acordo com a Reuters, a embaixada chinesa em Manila não comentou a questão.

    As Filipinas têm frequentemente acusado a China de usar frotas pesqueiras maciças como forma de pressão sobre o país. Em 15 de agosto, Teodoro Locsin Jr., atual ministro das Relações Exteriores das Filipinas, declarou o apoio à aliança militar AUKUS (entre a Austrália, Reino Unido e os EUA) que é vista em Pequim como uma forma de conter a ascensão da China.

    Ao mesmo tempo, Rodrigo Duterte, líder do país, tem ameaçado terminar a cooperação militar com os EUA ao longo de sua presidência.

    Os EUA derrotaram a Espanha em uma guerra em 1898, com o país europeu perdendo o que restava das colônias que acumulava desde 1492. Isso resultou no Tratado de Paris, que estabeleceu, entre outros aspetos, a anexação das Filipinas pelos norte-americanos, cuja independência Washington reconheceu apenas em 1946.

    Em 1951 os EUA e as Filipinas assinaram o TDM, que definiu as condições segundo as quais Washington prestaria ajuda militar a Manila. O país asiático tem abrigado desde então uma presença rotativa de tropas norte-americanas para exercícios conjuntos, trocas de inteligência e transferências de hardware.

    Mais:

    Departamento de Estado dos EUA aprova venda de caças F-16 às Filipinas em meio a tensões com China
    Grupo de porta-aviões dos EUA ingressa no mar do Sul da China (FOTOS)
    Filipinas protestam contra 'presença ilegal' de embarcações da China perto de ilha disputada
    Tags:
    Filipinas, EUA, China, Reuters, Delfin Lorenzana, Manila
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar