18:24 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    349
    Nos siga no

    O jornal The New York Times publicou recentemente que Zemari Ahmadi, que trabalhava para um grupo de ajuda dos EUA, pode ter sido confundido com um terrorista do EI-K pelas forças norte-americanas no ataque de drone que matou dez civis, incluindo sete crianças no Afeganistão, em 29 de agosto.

    O Departamento de Defesa dos EUA não foi capaz de confirmar as identidades dos militantes do Estado Islâmico-Khorasan (EI-K), um ramo do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) no Afeganistão, que foram alvos de um ataque realizado no final de agosto, disse o porta-voz do Pentágono, John Kirby.

    "Não posso confirmar as identidades dos indivíduos alvos deste ataque", disse Kirby a repórteres em uma coletiva, acrescentando que o Pentágono está avaliando a situação.

    O jornal The New York Times publicou recentemente que Zemari Ahmadi, que trabalhava para um grupo de ajuda dos EUA, pode ter sido confundido com um terrorista do EI-K pelas forças norte-americanas no ataque de drone que matou pelo menos dez civis, incluindo sete crianças no Afeganistão, em 29 de agosto.

    Fuzileira naval dos EUA verifica dois civis durante processo de evacuação no Aeroporto Internacional Hamid Karzai, Cabul, Afeganistão, 18 de agosto de 2021
    © REUTERS / Corpo da Marinha dos EUA / 1º sargento Victor Mancilla / Handout
    Fuzileira naval dos EUA verifica dois civis durante processo de evacuação no Aeroporto Internacional Hamid Karzai, Cabul, Afeganistão, 18 de agosto de 2021
    A investigação da mídia revelou que Ahmadi, que trabalhava como engenheiro elétrico para uma organização não governamental norte-americana, saiu de casa na manhã de 29 de agosto para pegar um colega e o computador de seu chefe. Foi quando os militares dos EUA suspeitaram que um veículo branco que havia deixado uma casa do EI-K e interceptaram comunicações pedindo ao motorista para parar o veículo.

    Os militares dos EUA podem ter pensado erroneamente que o carro de Ahmadi continha explosivos que seriam usados ​​contra as tropas norte-americanas no aeroporto de Cabul depois que ele foi visto fazendo tarefas relacionadas ao trabalho e carregando contêineres de água para sua casa, de acordo com o jornal.

    Retaliação

    O ataque de drone visando os terroristas do EI-K ocorreu após explosões junto do aeroporto de Cabul que, além de mortos civis, resultaram na morte de 13 militares dos EUA em 25 de agosto.

    Joe Biden, presidente dos EUA, prometeu que o país continuaria "caçando qualquer pessoa envolvida nesse hediondo ataque", em referência ao EI-K, que assumiu a responsabilidade pelos ataques. Biden acrescentou que deu aos comandantes militares dos EUA "autoridade total" para conduzir operações contra o grupo terrorista.

    Mais:

    Putin: países BRICS não querem tráfico de drogas e propagação do terrorismo a partir do Afeganistão
    Lloyd Austin: caso Al-Qaeda retorne ao Afeganistão Washington 'está preparado' para o enfrentar
    EUA admitem diferenças com Paquistão sobre reconhecimento e legitimidade do Talibã no Afeganistão
    Saindo do Afeganistão, EUA admitiram na prática o colapso de sua estratégia, diz ex-presidente russo
    Tags:
    Afeganistão, EUA, Daesh, drone, ataque aéreo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar