00:17 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4416
    Nos siga no

    Dois navios-patrulha do Reino Unido zarparam para uma missão no Indo-Pacífico que poderá durar cinco anos, ao mesmo tempo que Londres vira sua atenção para a região em meio a relações tensas com Pequim.

    As embarcações britânicas, HMS Tamar e HMS Spey, terão a missão de proteger os interesses do Reino Unido, "protegendo as águas territoriais, os estoques pesqueiros, exercendo funções de policiamento e atuando como os olhos, ouvidos e representantes da Marinha e da nação onde quer que patrulhem", conforme consta no portal da Marinha Real britânica, citado pelo South China Morning Post.

    Estes navios também estão equipados com um canhão antiaéreo de curto alcance e um único canhão montado para defesa contra mísseis de curto alcance, foguetes, granadas e outros explosivos.

    No final de agosto deste ano, o Reino Unido se juntou aos Países Baixos, EUA e Japão para realizar exercícios navais no oceano Pacífico, demonstrando a interoperabilidade das forças dos países envolvidos.

    Ante a contínua escalada de tensões entre Londres e Pequim, o novo embaixador da China no Reino Unido, Zheng Zeguang, apelou a um recomeço nas relações entre as duas nações.

    Porta-aviões USS Ronald Reagan, na frente, e o destróier de mísseis guiados USS Milius, no entro, conduzem um exercício com navios da Força Marítima de Autodefesa do Japão no mar do Sul da China, 31 de agosto de 2018
    © AP Photo / Marinha dos EUA / Especialista de comunicação em massa de 2ª classe Kaila V. Peters
    Navios dos EUA e Japão realizando exercícios no mar do Sul da China

    Zhou Chenming, pesquisador no Instituto de Ciência e Tecnologia Militar Yuan Wang, em Pequim, disse que os EUA buscam que aliados próximos, como o Reino Unido, participem de patrulhas navais para imporem sua presença militar na região, mas, de acordo com o especialista, o impacto militar pretendido não será tão grande assim.

    "Os navios-patrulha britânicos são mais fracos em termos de defesas e capacidade, portanto, não causarão nenhumas mudanças substanciais no equilíbrio do poder militar [no Indo-Pacífico]", explicou Zhou, citado na matéria.

    Contudo, as embarcações em causa tiveram importância política.

    Ni Lexiong, especialista militar em Xangai, disse que o gigante asiático estaria monitorando os destacamentos britânicos, que sinalizam o compromisso de Londres em apoiar as forças norte-americanas na região, inclusive em um conflito no mar do Sul da China, aponta a mídia.

    Mais:

    Destróier dos EUA navega pelo estreito de Taiwan após exercícios de Pequim no mar do Sul da China
    Embaixador alemão na China morre de repente poucos dias após tomar posse
    Força Aérea da China encontra maneira de pousar drone hipersônico, diz mídia
    Tags:
    Reino Unido, Marinha Real britânica, missão de patrulha, EUA, China, Mar do Sul da China, Indo-Pacífico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar