07:48 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    993
    Nos siga no

    Na terça-feira (31), a Al-Qaeda divulgou um comunicado de duas páginas em inglês e árabe louvando "a vitória histórica" do Talibã no Afeganistão, descrito como "cemitério de impérios" e uma "fortaleza inexpugnável".

    "Tal como vocês liberaram o Afeganistão da ocupação americana, liberem Palestina da ocupação sionista e o Magrebe Islâmico da ocupação francesa [...] Liberem o Levante, Somália, Iêmen, Caxemira e o resto das terras islâmicas das garras dos inimigos do Islã", diz o comunicado da Al-Qaeda (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países), divulgado horas depois que o Pentágono anunciou que as últimas tropas saíram do Afeganistão.

    O Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) também proclamou a independência da ocupação norte-americana em 31 de agosto, conforme o porta-voz do movimento.

    O comunicado da Al-Qaeda foi divulgado pelo SITE Intelligence Group, um site americano sem fins lucrativos que rastreia a atividade on-line dos terroristas. Desde então, isso foi relatado por várias mídias.

    Organização terrorista proscrita Al-Qaeda divulga um comunicado de duas páginas parabenizando o Talibã por sua "histórica" vitória no Afeganistão.

    A Al-Qaeda também clama pela libertação de Caxemira, Palestina, Somália e vários outros territórios.

    Em resposta à referência da Al-Qaeda à Caxemira em seu comunicado, o representante do Talibã Suhail Shaheen disse à Sputnik que sua organização não tem "nenhuma agenda estrangeira".

    "Estamos inteiramente concentrados na reconstrução do Afeganistão e em outras prioridades internas", disse.

    A Al-Qaeda previu que o "fracasso" da América marcou o "início do fim da era escura de hegemonia e ocupações militares ocidentais das terras islâmicas".

    "Com a ajuda de Alá, a vitória histórica abrirá o caminho para que as massas muçulmanas alcancem a liberação do regime despótico de tiranos que foram impostos pelo Ocidente no mundo islâmico", afirmou a Al-Qaeda.

    A organização também disse que "os eventos históricos" no Afeganistão abrem uma oportunidade para as "massas na Europa e Leste Asiático se liberem dos grilhões da hegemonia americana".

    Membros da unidade militar Badri 313 fazem a segurança do Aeroporto de Cabul durante a presença do porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid
    © REUTERS / Talibã via Reuters
    Membros da unidade militar Badri 313 fazem a segurança do Aeroporto de Cabul durante a presença do porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid

    Além disso, ela apelou à população do Afeganistão a "se unir em torno da liderança abençoada" do Talibã. O apelo da Al-Qaeda ocorre em meio aos apelos das autoridades estrangeiras para se formar um governo "amplo" e "inclusivo" representativo de várias etnias da nação centro-asiática.

    A Al-Qaeda passou a elogiar o atual chefe do Talibã, Haibatullah Akhundzada, que liderou o Talibã por "quebrar as costas da América, manchando sua reputação e expulsando-os" do Afeganistão.

    No âmbito dos termos do acordo de paz celebrado em fevereiro de 2020 em Doha, que determinou o cenário para a retirada das tropas americanas e dos aliados do solo afegão, o Talibã prometeu não deixar que o território do Afeganistão seja usado pela Al-Qaeda ou qualquer outra organização terrorista que ameace a segurança dos EUA ou seus aliados.

    Mais:

    Por insinuar risco terrorista de afegãos, Twitter suspende conta de André Ventura, mas não do Talibã
    Em meio a tensões com Paquistão, Índia anuncia sua primeira reunião oficial com Talibã
    EUA firmam acordo secreto para talibãs escoltarem americanos até Aeroporto de Cabul, diz mídia
    Tags:
    Afeganistão, Talibã, EUA, Al-Qaeda, retirada
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar