17:46 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 51
    Nos siga no

    As Nações Unidas publicaram um relatório que detalha um grande aumento de violência no Afeganistão, particularmente em maio e junho, depois que a coalizão ocidental iniciou sua retirada do país.

    A ONU teme que a escalada da guerra civil no Afeganistão possa resultar em muito mais vítimas civis após a partida militar dos EUA e da OTAN.

    "Um número sem precedentes de civis afegãos morrerá ou será mutilado este ano se a crescente violência não for monitorizada", advertiu na segunda-feira (26) a Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão em um comunicado de imprensa, que acompanha um relatório sobre a situação no país.

    Segundo a organização, as vítimas civis na primeira metade de 2021 já atingiram "níveis recordes", com "um aumento particularmente acentuado de mortes e ferimentos" relatado desde maio, quando a coalizão liderada pelos EUA iniciou sua retirada.

    As Nações Unidas advertiram que "sem uma redução significativa da violência, o Afeganistão está a caminho de testemunhar em 2021 o maior número de baixas civis documentadas em um único ano desde que [seus] registros começaram".

    No relatório, que cobriu as baixas entre janeiro e junho de 2021, a ONU indicou que cerca de 1.659 civis afegãos foram mortos e 3.254 feridos durante esse período, números que representam um aumento de 47% em comparação com o mesmo período em 2020. Só entre maio e junho, 783 civis perderam a vida e 1.609 foram feridos, de acordo com o relatório.

    Um policial afegão vigia o posto de controle nos arredores de Cabul, Afeganistão, em 13 de julho de 2021
    © REUTERS / Mohammad Ismail/ Foto de arquivo
    Um policial afegão vigia o posto de controle nos arredores de Cabul, Afeganistão, em 13 de julho de 2021

    O relatório indicou ainda que mulheres e crianças representaram cerca de 46% de todos os mortos e feridos civis, dados que a ONU chamou de "repugnantes". Os funcionários civis do governo, da mídia, ativistas, dirigentes religiosos (anciãos) e trabalhadores humanitários têm sido outros dos alvos principais.

    A ONU responsabilizou "elementos antigovernamentais" por 64% de todas as baixas civis, sendo as forças pró-governamentais responsáveis por 25%. 39% das baixas foram atribuídas ao Talibã, com cerca de 9% atribuídas ao Estado Islâmico na Província de Khorasan, um ramo do Daesh (organizações terroristas, proibidas na Rússia e em vários outros países), ativo na Ásia Central e do Sul.

    O fogo cruzado, dispositivos explosivos improvisados, assassinatos direcionados e ataques aéreos teriam sido a causa da maioria das baixas.

    Deborah Lyons, representante especial da ONU para o Afeganistão, implorou ao Talibã e a Cabul que "atentassem para a trajetória sombria e arrepiante do conflito e seu impacto devastador sobre os civis", e sugeriu que o relatório elaborado era um aviso das coisas que virão se a violência não for detida.

    A ONU advertiu que o número de vítimas pode aumentar drasticamente se os combates alastrarem das áreas rurais, onde a densidade populacional é baixa, para cidades com alta densidade populacional.

    Por fim, a agência exortou ambos os lados a "parar os combates de afegãos contra afegãos", rejeitar uma solução militar e "intensificar [...] os esforços à mesa de negociações".

    Mais:

    'Propaganda sem fundamento': Afeganistão desmente que Talibã controle 90% das fronteiras do país
    Retirada do Afeganistão: 'Para combater Talibã, ataques aéreos dos EUA podem continuar' diz analista
    Conflito no Afeganistão: analistas explicam o que poderá acontecer após retirada das tropas dos EUA
    China responsabiliza EUA por aumento de ataques no Afeganistão, após incidente em escola
    Tags:
    Afeganistão, Nações Unidas, ONU, OTAN, EUA, Ásia Central, Ásia do Sul, Talibã, Daesh
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar