03:46 16 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    545
    Nos siga no

    O inspetor de atividade atômica da ONU reparou em indicadores na Coreia do Norte que apontam para possíveis trabalhos de reprocessamento na separação de plutônio do combustível gasto de reatores, algo que poderia ser usado em armas nucleares.

    Segundo informa a Euronews, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) não tem acesso à Coreia do Norte desde 2009, quando Pyongyang expulsou seus inspetores. Desde então, o país tem avançado em seu programa de armas nucleares, tendo retomado seus testes nucleares. A última detonação de uma arma nuclear norte-coreana ocorreu em 2017.

    Com sede em Viena, na Áustria, a AIEA monitora toda a atividade nuclear na Coreia do Norte, com especial atenção ao principal complexo nuclear em Yongbyon, através de imagens de satélite.

    Em uma atualização trimestral apresentada em uma reunião do Conselho de Governadores da agência, composto de 35 nações, o diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, disse que vapor continua emergindo de uma usina que serve um laboratório de reprocessamento em Pyongyang, desde que o mesmo apontou na última reunião que sua atividade havia aumentado.

    "A usina a vapor que atende o Laboratório de Radioquímica continuou a operar desde minha última declaração ao Conselho em março", disse ele citado pela mídia europeia.

    Contudo, parece que não há indicações de que, nos últimos três meses de operações, o reator de 5 MW em Yongbyon tenha, de fato, produzido plutônio para armas, uma vez que a AIEA acredita que tal instalação tenha sido encerrada em dezembro de 2018.

    De igual modo, também não houve indicações de que uma instalação de Yongbyon, considerada uma usina de enriquecimento, estaria em funcionamento, pelo que os trabalhos de construção internos em um reator experimental de água leve parecem continuar.

    Grossi acrescentou, no entanto, que havia "indícios contínuos de atividade" em uma instalação nos arredores de Pyongyang chamada Kangson, que atraiu sua atenção por poder representar um potencial local de enriquecimento.

    Mais:

    Se reunindo em Pequim, China reafirma laço com Coreia do Norte diante da aliança EUA-Coreia do Sul
    China promete apoio econômico à Coreia do Norte em meio a tensões com Ocidente, segundo mídia
    Irmã de Kim Jong-un adverte Coreia do Sul sobre consequências da propaganda contra Pyongyang
    Tags:
    Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), programa nuclear, plutônio, Pyongyong, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar