06:32 10 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    9215
    Nos siga no

    Jeremy Fleming, diretor da agência GCHQ do Reino Unido, advertiu contra o que disse ser o crescente papel de Pequim no desenvolvimento e uso de tecnologias.

    A China pode acabar por dominar a tecnologia mundial e é necessário que o Ocidente o evite, disse na sexta-feira (23) Jeremy Fleming, diretor da agência de espionagem britânica Sede de Comunicações do Governo (GCHQ, na sigla em inglês), citado pela agência Reuters.

    "A liderança tecnológica está se deslocando para o Oriente. A preocupação é que o tamanho e o peso tecnológico da China significam que ela tem o potencial de controlar o sistema operacional global", referiu Fleming no Colégio Imperial de Londres, Reino Unido.

    "E sem ação, é cada vez mais claro que as tecnologias-chave, com as quais contaremos para nossa prosperidade e segurança futuras, não serão moldadas e controladas pelo Ocidente. Estamos agora diante de um momento de acerto de contas", disse ele, segundo o portal ZDNet.

    Na opinião do diretor da GCHQ, o Ocidente enfrenta uma batalha pelo controle de tais tecnologias, como a inteligência artificial, a biologia sintética, e biologia genética, com as potências mundiais competindo pela melhor tecnologia.

    Por isso, ele recomendou que o Ocidente avance no desenvolvimento de algoritmos de criptografia pós-quântica, promovendo melhores condições de mercado e criando diversidade de oferta em um conjunto mais amplo de tecnologias, "de forma a que também estejamos preparados para aqueles adversários que possam usar um computador quântico para olhar para trás, para coisas que atualmente achamos que são seguras".

    A China está "trazendo todos os elementos do poder estatal para controlar, influenciar o projeto e dominar os mercados", querendo "controlar o sistema operacional global", e, ao mesmo tempo, tentar dominar os debates sobre padrões e regras globais, inclusive sendo pioneira na adopção de novas tecnologias, afirmou, acrescentando que apesar da suposta "ameaça" imediata de Moscou ao Ocidente, é Pequim quem representa um desafio muito maior a longo prazo.

    Em relação ao Reino Unido, Fleming defende também o desenvolvimento de tecnologias quânticas "soberanas", incluindo criptográficas, se Londres quiser continuar sendo uma potência cibernética global, e proteger informações e capacidades sensíveis.

    A GCHQ tem uma relação próxima com a Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) dos EUA, e com as agências de espionagem da Austrália, Canadá e Nova Zelândia. O Reino Unido e esses países estão integrados no chamado grupo internacional de agências de inteligência Cinco Olhos.

    Mais:

    Biden teria sugerido alternativa 'democrática' à iniciativa chinesa Um Cinturão, Uma Rota
    Biden encerra era inteira com Rússia e China: como seria nova competição?
    Ministra da Defesa alemã cita 'comportamento da Rússia' para justificar aumento de gastos militares
    Ameaça a 'democracias ocidentais': Bolton adverte Noruega contra acordo de livre comércio com China
    Pequim acusa Washington de exagerar em fake news para encobrir 'crimes' norte-americanos
    Tags:
    Reuters, Londres, Government Communications Headquarters (GCHQ), Quartel-General de Comunicações do Governo (GCHQ), Rússia, China, Reino Unido, Ocidente
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar