23:26 10 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4401
    Nos siga no

    A China conduziu um exercício de bombardeio aéreo em grande escala durante o final de semana passado, em meio a crescentes tensões com Taiwan.

    Segundo informa o South China Morning Post, o exercício militar teria sido uma resposta ao comunicado conjunto dos EUA e Japão sobre suas posições relativamente a Taiwan – favoráveis à "paz e estabilidade ao longo do estreito de Taiwan" – áreas que, por sua vez, são vistas por Pequim como parte de seu território. Acredita-se que o exercício tenha ocorrido na província chinesa de Qinghai.

    O Comando do Teatro de Operações Oriental do Exército de Libertação Popular (ELP) da China, responsável por vigiar o Estreito de Taiwan, acionou dezenas de bombardeiros estratégicos H-6K em exercícios de fogo real por nove horas seguidas, segundo a televisão estatal chinesa, referida na matéria.

    Nesses exercícios, os H-6K, que têm uma capacidade máxima de carga de 15 toneladas, também praticaram contramedidas eletrônicas com unidades de mísseis de defesa aérea. Chegando ao local pré-definido no espaço aéreo, libertaram várias bombas de queda livre a partir de diferentes altitudes. Após regressarem à base, as aeronaves voltaram a repetir o exercício durante a noite.

    Bombardeiro chinês H-6K patrulhando águas disputadas do mar do Sul da China
    © AP Photo / Liu Rui/Xinhua
    Bombardeiro chinês H-6K patrulhando águas disputadas do mar do Sul da China
    A Televisão Central da China (CCTV, na sigla em inglês) reportou que "o treinamento diurno e noturno de alta intensidade e por longas horas aumentou rapidamente as capacidades de assalto da Força Aérea e melhorou suas capacidades de combate real".

    Uma fonte anônima relatou ao South China Morning Post que "o ELP ainda não pretende provocar indevidamente Taiwan, pois os métodos pacíficos ainda são a melhor maneira de resolver o problema de Taiwan."

    As tensões entre Taipé e Pequim têm escalado rapidamente, pois a nação insular continua se esforçando para se manter independente do gigante asiático que, por sua vez, não quer que isso aconteça.

    Os EUA e aliados na região têm se mostrado ativos em tentar resolver o assunto, demonstrando seu apoio a Taiwan, algo que a China entende como total desrespeito aos seus assuntos internos. Taipé, contudo, pretende tirar partido de sua amizade com Washington, tendo recentemente pedido a obtenção de poderosos mísseis americanos, de modo a estar pronta para se defender da China, se for necessário, bem como ajudar os EUA e seus aliados no Pacífico na contenção chinesa.

    Mais:

    China avança na construção da maior rede móvel 5G do mundo
    Mídia: contrariando China, EUA e Japão vão apresentar frente única defendendo autonomia de Taiwan
    Impacto global das denúncias de Rússia e China sobre produtos do Brasil preocupa especialistas
    Tags:
    exercício militar, bombardeio, Estreito de Taiwan, Taiwan, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar