11:54 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    229
    Nos siga no

    Estados Unidos e Coreia do Sul chegaram a um consenso sobre novo acordo que exige que Seul aumente a contribuição para custear as forças norte-americanas destacadas no país asiático.

    A informação foi divulgada pelo Departamento de Estado dos EUA neste domingo (7), segundo noticiou a Reuters.

    Presidente dos EUA, Joe Biden, tira máscara protetora para realizar discurso no Departamento de Estado dos EUA, em Washington, 4 de fevereiro de 2021
    © REUTERS / Tom Brenner
    Presidente dos EUA, Joe Biden, tira máscara protetora para realizar discurso no Departamento de Estado dos EUA, em Washington, 4 de fevereiro de 2021
    "O acordo reflete o compromisso do governo Biden em revigorar e modernizar nossas alianças democráticas em torno da palavra para promover nossa segurança e prosperidade compartilhadas", disse um porta-voz do Departamento de Estado.

    O proposto "Acordo de Medidas Especiais" de seis anos substituirá o acordo anterior que expirou no final de 2019, removendo um grande fator de atrito nos laços EUA-Coreia do Sul.

    O representante disse que o acordo proposto incluía um "aumento significativo negociado nas contribuições de apoio do país anfitrião", mas não deu mais detalhes.

    As negociações ficaram paralisadas depois que o ex-presidente dos EUA Donald Trump rejeitou a oferta de Seul de pagar 13% a mais, um valor total de cerca de US$ 1 bilhão (R$ 5,6 trilhões) ao ano, e exigiu até US$ 5 bilhões (R$ 28,4 trilhões). Seul atualmente paga a Washington cerca de US$ 920 milhões (R$ 5,2 trilhões) por ano.

    Mais:

    EUA estariam criando força-tarefa para responder a suposto ciberataque da China
    Israel e Coreia do Sul firmam memorando para juntar helicópteros com drones kamikaze
    Coreia do Sul e EUA limitam duração de exercício militar conjunto devido à COVID-19
    Tags:
    EUA, Coreia do Sul, relações exteriores, forças armadas, tropas, relações bilaterais
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar