00:54 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2114
    Nos siga no

    Reino Unido, França e Alemanha apoiaram uma resolução que condenava a restrição iraniana a algumas inspeções da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

    Em resposta às contínuas tentativas de Washington de forçar Teerã a renegociar o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), ou acordo nuclear de 2015, Mohammad Javad Zarif, ministro das Relações Exteriores do Irã, sugeriu que a Carta da ONU fosse renegociada também, incluindo a remoção do poder de veto do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

    Zarif criticou o posicionamento dos EUA sobre o acordo nuclear, dizendo em um tweet na quinta-feira (4) que o acordo "não pode ser renegociado: ponto final".

    JCPOA não pode ser renegociado: ponto final.

    Se 2021 não é 2015, também não é 1945. Por isso, vamos mudar a Carta das Nações Unidas e remover o veto tão frequentemente abusado pelos EUA.

    Vamos parar de posar, o que ambos fizemos de 2003-2012 em vão, e começar a implementar o JCPOA, que ambos assinamos.

    Reino Unido, França e Alemanha afirmaram na quinta-feira (4) que rejeitariam emitir uma condenação ao Irã por limitar as inspeções da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), uma decisão que Edward Price, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, aprovou no mesmo dia.

    Acordo nuclear

    Os EUA são um dos cinco países-membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, a única parte da ONU com autoridade para emitir resoluções vinculativas para outras nações, tendo o poder de veto em conjunto com o Reino Unido, a França, a China e a Rússia.

    Os cinco membros permanentes do CSNU, mais a Alemanha, a União Europeia e o Irã, formaram juntos o JCPOA em 2015. Embora não seja um tratado vinculante, o acordo viu a redução das sanções internacionais contra o Irã em troca de sua aceitação de limites rigorosos sobre a qualidade e quantidade de urânio que poderia refinar.

    No entanto, em 2018, Donald Trump, então presidente dos EUA, retirou seu país do acordo, alegando que Teerã o violou, e impôs novas sanções ao Irã, levando a nação persa a retirar gradualmente suas obrigações com o JCPOA.

    Mais:

    Inspeções a usinas nucleares no Irã não podem ser usadas como 'moeda de troca', diz chefe da AIEA
    Teerã diz que EUA deveriam pôr fim às sanções antes de falarem sobre acordo nuclear
    Diplomata da UE questiona EUA: saíram do acordo com o Irã, como pedem por sanções?
    Tags:
    Mohammad Javad Zarif, Carta das Nações Unidas, Carta da ONU, JCPOA, Plano de Ação Conjunto Global, Conselho de Segurança da ONU, Conselho de Segurança, ONU, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar