01:24 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de novembro (90)
    0 11
    Nos siga no

    Um carregamento de carne de origem argentina chegou à China com o novo coronavírus, e as autoridades sanitárias do país asiático estão investigando como o vírus foi parar dentro do transporte.

    As autoridades sanitárias chinesas detectaram no porto de Xangai, na segunda-feira (9), uma embalagem que mais tarde foi identificada como tendo carne argentina com SARS-CoV-2, afirmou na quinta-feira (12) o jornal La Nación.

    A carne foi levada para Nanjing, capital da província de Jiangsu, no leste da China, a cerca de mil quilômetros ao sul de Pequim, onde testou positivo para a presença do novo coronavírus na terça-feira (10), informou o Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa) da Argentina. Foi realizado um teste de ácido nucléico na caixa com a carne, dando resultado positivo. A carne no interior, no entanto, estava livre do vírus.

    O governo argentino explicou que as autoridades da China haviam informado o Senasa dos resultados.

    A carne pertencia ao frigorífico argentino Gorina, e era transportada para a China através de um intermediário de exportação. A empresa está em risco de ser suspensa pelas autoridades chinesas, mas Carlos Riusech, CEO da Gorina, contou à mídia que sua empresa está "preparando um arquivo com documentação de apoio para ser baixado", e que, uma vez concluído, "a decisão fica nas mãos das autoridades chinesas".

    Segundo um comunicado do Senasa, "é importante notar que não é por causa do produto, que está em perfeito estado e atende a todas as normas sanitárias exigidas, mas devido à embalagem externa".

    Além disso, o Senasa indicou que "este é um caso isolado, sendo a primeira vez que acontece em produtos da Argentina desde o início da pandemia", e que aconteceu "em produtos de outros países que fornecem carne, e também em outras mercadorias".

    De fato, como explicado na declaração, ainda não está claro que a origem do vírus seja argentina, já que o produto, "uma vez entrado no porto daquele país [China], começa a ser manipulado ali, o que complica a determinação da origem da presença do vírus".

    Neste sentido, a Senasa assegurara que está "trabalhando para dar segurança à China de um fornecimento normal de carne, mantendo os padrões sanitários exigidos" da Organização Mundial da Saúde e da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura.

    Pequim e Buenos Aires estavam negociando novos contratos para exportar carne argentina para a China durante a Exposição de Importação Internacional da China (CIIE, na sigla em inglês) em Xangai.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de novembro (90)

    Mais:

    Pequim pode parar de importar alimentos congelados de países com severa COVID-19
    Veto brasileiro à importação de carne suína alemã não é retaliação, diz especialista
    Provas de COVID-19 em frango brasileiro na China não foram apresentadas, diz presidente da ABPA
    Filipinas proíbem frango do Brasil por medo do novo coronavírus
    Tags:
    La Nación, Xangai, Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, OMS, Organização Mundial da Saúde (OMS), Organização Mundial da Saúde, Jiangsu, COVID-19, China, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar