17:58 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    O primeiro-ministro da Armênia Nikol Pashinyan afirmou nesta segunda-feira (9) que os combates pelo controle da cidade de Shusha, em Nagorno-Karabakh, seguem em curso. 

    Pashinyan usou o Facebook para anunciar que "a luta por Shushi continua", empregando o nome armênio dado à cidade. 

    A declaração de Pashinyan foi feita horas depois de o porta-voz do presidente da república não reconhecida de Nagorno-Karabakh, Vagram Pogosyan, ter admitido (também pelo Facebook) que a cidade de Shusha está completamente fora de controle das forças da república. Especula-se, no entanto, que a página de Pogosyan poderia ter sido hackeada, segundo a AFP.

    No último domingo (8), o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliev, anunciou que suas forças haviam tomado Shusha, que fica a cerca de 15 quilômetros de Stepanakert e na estrada principal para a Armênia.

    Ilham Aliev, presidente do Azerbaijão, durante uma reunião do Conselho de Segurança, discutindo a situação na fronteira com a Armênia em meio à guerra em torno de Nagorno-Karabakh
    © Sputnik / Assessoria de imprensa do presidente do Azerbaijão
    Ilham Aliev, presidente do Azerbaijão, durante reunião em torno da guerra de Nagorno-Karabakh

    Desde 27 de setembro, a disputa pela região de Nagorno-Karabakh entre armênios e azeris se acirrou.

    Como resultado, perdas humanas e materiais são reportadas por ambos os lados.

    Apesar do anúncio de dois regimes de cessar-fogo, a violência continua, com ambos os lados acusando-se mutuamente de violarem o cessar-fogo.

    Mais:

    Armênia recorre a tratado de ajuda recíproca para receber assistência da Rússia em Nagorno-Karabakh
    Presidente do Azerbaijão diz estar pronto para cessar guerra em Nagorno-Karabakh
    Cerca de 2 mil mercenários do Oriente Médio estão em Nagorno-Karabakh, diz Lavrov
    Tags:
    Armênia, Ilham Aliyev, Nagorno-Karabakh, Nikol Pashinyan, Azerbaijão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar