20:51 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    91013
    Nos siga no

    Declarações aconteceram poucas horas depois do atentado em Nice e Mahathir Mohamad alegou que a vingança é justa pelos "massacres do passado".

    O homem que comandou a Malásia por 22 anos escreveu nesta quinta-feira (29) em uma rede social que é justificado matar franceses. A longa sequência de tuítes do ex-líder malaio Mahathir Mohamad (governou entre 1981 e 2003) se segue a mais um capítulo da escalada de tensões entre a França e a comunidade muçulmana desde que, em setembro, o jornal satírico Charlie Hebdo republicou charges que em 7 de janeiro de 2015 levaram a um atentado terrorista em Paris que matou 12 funcionários do jornal.

    Mais cedo hoje (29), na cidade francesa de Nice, um homem matou a facadas três pessoas dentro da Basílica de Notre-Dame. O governo francês classificou o crime como "ato terrorista islâmico".

    Desde a republicação das charges, quatro pessoas morreram e três ficaram feridas. Em outro episódio dramático, um professor de História foi decapitado por um extremista checheno nos subúrbios de Paris. Ele se chamava Samuel Paty e no dia 16 de outubro deu aula sobre liberdade de expressão e nela mostrou aos alunos charges do profeta Maomé. O assassino foi morto pela polícia.

    Na sequência do atentado em Nice, o ex-primeiro-ministro veio ao Twitter defender o ponto de vista islâmico. Embora tenha escrito que em geral os muçulmanos não aplicam a lei do "olho por olho", Mohamad viu espaço para reações como as destas últimas semanas. Inclusive, o boicote a produtos franceses.

    ​​A partir do momento em que vocês culpam todos os muçulmanos e o islamismo pelo que uma pessoa com raiva fez, então os muçulmanos têm o direito de punir os franceses. O boicote não vai compensar os erros cometidos pelo franceses em todos estes anos.

    A seguir, Mohamad foi mais além. Ele tuitou que "muçulmanos têm o direito de ficar com raiva e matar milhões de franceses pelos massacres do passado". O ex-político também criticou o presidente francês Emmanuel Macron, que após a morte do professor Paty tinha defendido "a liberdade de blasfemar".

    ​Macron não está mostrando que é civilizado. Ele é muito primitivo ao culpar o islamismo e os muçulmanos pela morte do professor insultuoso. Isso não está de acordo com os ensinamentos do islamismo.

    Localizada no sudeste asiático, a Malásia tem 35 milhões de habitantes, sendo 61% deles muçulmanos. O islamismo é considerado a religião oficial do país.

    Mais:

    Após atentado em Nice, Macron diz que França 'está sob ataque terrorista novamente' (VÍDEO)
    Esfaqueador é detido após deixar 4 pessoas feridas perto da antiga sede de Charlie Hebdo, em Paris
    França recorda o aterrorizante atentado de Charlie Hebdo que ocorreu há 2 anos
    Tags:
    Malásia, mundo muçulmano, atentado, Nice, islamismo, Emmanuel Macron
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar