05:18 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente dos EUA, Donald Trump, conversa com o presidente chinês, Xi Jinping. EUA impuseram tarifas às importações de produtos chineses, dando início à guerra comercial entre as duas potências econômicas

    Analistas esclarecem: Trump está usando protestos em Hong Kong para negociar com a China?

    © AP Photo / Andy Wong, File
    Ásia e Oceania
    URL curta
    614
    Nos siga no

    Enquanto os EUA e a China continuam tentando resolver suas diferenças sobre o comércio e chegar a um acordo parcial pelo menos sobre esse assunto, a recente legislação de Washington sobre Hong Kong provavelmente irritará ainda mais Pequim.

    No início deste mês, a Câmara dos Deputados dos EUA aprovou a Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong. O projeto de lei, que visa "apoiar as aspirações democráticas do povo de Hong Kong", desafia a autoridade de Pequim e questiona o status especial que Hong Kong desfruta sob o princípio de "um país, dois sistemas" da China, que lhe permite ter um sistema econômico do continente.

    Hong Kong tem sido alvo de violentos protestos antigovernamentais há meses, que mergulharam a cidade no caos e atingiram fortemente sua economia. Embora a China tenha demonstrado o máximo de contenção em lidar com a agitação, os EUA e alguns outros países ocidentais expressaram abertamente o apoio aos protestos, provocando indignação em Pequim. A China reagiu ferozmente a qualquer intromissão em seus assuntos domésticos, dizendo que não tolerará a "interferência de forças externas".

    Se a legislação dos EUA obtiver aprovação adicional e for aprovada pelo presidente Donald Trump, será necessária a verificação do status especial de Hong Kong como um sistema jurídico e econômico separado da China continental. Isso permitirá que os EUA sancionem indivíduos e também abrirá a possibilidade de controles de exportação.

    "Trump pode manter sua assinatura como uma possível alavanca para futuras negociações comerciais com a China", disse Andrew Leung, estrategista internacional e independente da China, à RT.
    Manifestante antigovernamental usando máscara do presidente norte-americano Donald Trump, durante manifestações em Hong Kong
    © REUTERS / Susana Vera
    Manifestante antigovernamental usando máscara do presidente norte-americano Donald Trump, durante manifestações em Hong Kong

    Ele observou que o projeto se baseia na afirmação de Washington de que a autonomia de Hong Kong é "uma farsa" e, portanto, os EUA não devem tratá-lo separadamente da China.

    "A questão é se 'um país, dois sistemas' se tornou uma farsa. A resposta é claramente que não", enfatizou Leung. Ele explicou que, além de seu status separado na Organização Mundial do Comércio (OMC), Hong Kong foi recentemente reconhecida como uma das economias mais livres do mundo, de acordo com recentes avaliações anuais do Instituto Fraser do Canadá e do Instituto Cato, com sede nos EUA.

    Apesar da reação feroz de Pequim a qualquer tentativa de influenciar a situação em Hong Kong, a nova legislação não é a pior coisa que Washington fez para provocar seu rival na guerra comercial, de acordo com Sourabh Gupta, membro sênior do Instituto de Estudos China-América. Assim, a questão não prejudicará as negociações comerciais.

    "Sabe, houve algo muito pior que os EUA fizeram em relação aos interesses chineses durante o curso dessas negociações. Estou falando especificamente sobre essas enormes vendas de armas que foram aprovadas para Taiwan", relembrou, acrescentando que os dois lados estão prontos para continuar as negociações de qualquer maneira.

    "Obviamente, os EUA e a China estão negociando seu acordo comercial, que é uma questão separada", enfatizou Gupta. "Hong Kong em si é uma região administrativa especial com total autonomia sobre seus arranjos econômicos e, portanto, se Hong Kong tivesse algum tipo de arranjo econômico com os EUA, Pequim não se oporia necessariamente a isso".

    Mais:

    Manifestantes de Hong Kong querem humilhar e derrubar o governo, diz premiê de Cingapura
    Protestos da oposição suspendem sessão do legislativo de Hong Kong
    Ativistas realizam marcha não autorizada em Hong Kong, desafiando autoridades
    Tags:
    OMC, interferência estrangeira, protestos, soberania, relações bilaterais, Hong Kong, guerra comercial, Xi Jinping, Donald Trump, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar