18:05 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Militares do Sri Lanka ficam de guarda em frente ao Santuário de Santo Antônio, igreja de Kochchikade, após uma explosão em Colombo, Sri Lanka, 21 de abril de 2019

    Após ataques, Sri Lanka bloqueia redes sociais

    © REUTERS / Dinuka Liyanawatte
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 0 0

    WhatsApp, Viber e Facebook foram bloqueados temporariamente no Sri Lanka, segundo informou o portal Ada Derana nesta segunda-feira (13), citando fontes do departamento de informações do governo.

    De acordo com o departamento, a medida visa combater a falsa propaganda que provocou distúrbios em diversas localidades do país no domingo (12).

    Mais cedo, o portal relatou uma escalada de tensão na cidade de Chilaw. As tensões resultaram da reação dos moradores a uma postagem nas redes sociais sobre a desunião entre as raças. A polícia deteve o autor da postagem e impôs toque de recolher na cidade até a noite do domingo (12).

    O Sri Lanka está em alerta máximo desde que sofreu uma série de ataques a bomba ocorreu em 21 de abril. Mais de 250 pessoas foram mortas e outras centenas ficaram feridas. Dezenas de suspeitos foram detidos desde que o país lançou uma operação antiterrorista em massa. O grupo terrorista Daesh reivindicou a responsabilidade pelos ataques.

    Segundo o governo do país, entre 130 e 140 membros do Daesh estão atualmente ativos no país. No entanto, de acordo com a polícia, todos os suspeitos de planejar e perpetrar explosões foram detidos ou mortos.

    * O Daesh é um grupo terrorista banido do território russo e de diversos outros países.

    Mais:

    Irmão mais velho de terrorista do Sri Lanka é preso com 2 espadas
    Mídia: Daesh pode atacar resorts na África e Ásia após atentados no Sri Lanka
    Polícia detém 2 principais suspeitos dos ataques no Sri Lanka
    15 corpos são achados em prédio bombardeado no Sri Lanka
    Tags:
    redes sociais, terrorismo, Viber, Daesh, Facebook, WhatsApp, Sri Lanka
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar