16:20 18 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Exercícios navais com o navio sul-coreano Dea Joyeong e a embarcação japonesa Abukuma

    'Briga' entre Japão e Coreia do Sul deve seguir irritando os EUA na Ásia, dizem analistas

    © Sputnik / Koji Ueda
    Ásia e Oceania
    URL curta
    11120

    As queixas não resolvidas do passado entre Japão e Coreia do Sul, bem como as tensões mais recentes entre os dois países, particularmente no que diz respeito aos militares, não desaparecerão tão cedo e continuam a limitar a cooperação dentro da aliança militar entre as nações e os EUA, disseram especialistas à Sputnik.

    As relações entre os dois países asiáticos há muito vêm sendo envenenadas pela lembrança do domínio colonial do Japão sobre a Coréia entre 1910 e 1945. Acredita-se que as empresas japonesas forçaram prisioneiros de guerra e moradores locais a trabalhar duro para a indústria militar japonesa durante a ocupação. De acordo com o acordo japonês-sul-coreano de 1965, Tóquio pagou uma indenização pelos danos infligidos à Coreia do Sul.

    Em 2018, o Supremo Tribunal sul-coreano fez com que as empresas japonesas Mitsubishi Heavy Industries e Nippon Steel & Sumitomo Metal pagassem uma compensação pelo uso de trabalho forçado durante a Segunda Guerra Mundial. As empresas se recusaram a fazê-lo, e Seul, por sua vez, decidiu tomar uma parte dos ativos da Nippon Steel na Coreia do Sul, provocando as críticas do Japão.

    A questão das chamadas mulheres do conforto, termo usado para descrever mulheres forçadas a trabalhar em bordéis de guerra em territórios ocupados para os militares japoneses durante a Segunda Guerra Mundial, é outra ferida antiga nas relações bilaterais. Com o número exato de mulheres envolvidas na prática ainda objeto de debate, a maioria das mulheres foi tirada de países ocupados pelo Japão entre 1932 e 1945, principalmente Coreia, China e Filipinas.

    As tensões em torno de uma história compartilhada tendem a aumentar ainda mais este ano, que marca o centenário do Movimento 1º de março. Em relação à série de protestos pedindo a independência do regime colonial do Japão que ocorreu em 1919, o doutor Deokhyo Choi, professor da Escola de Estudos do Leste Asiático da Universidade de Sheffield, teceu alguns comentários à Sputnik.

    "Haverá muitos eventos históricos relacionados à história da Coreia colonial. Então, os problemas históricos surgirão na Coreia do Sul, e isso pode enviar uma mensagem errada ao Japão, inflamando a ira popular dentro da sociedade coreana em relação a questões históricas, usando a história para culpar o Japão e o governo japonês", disse Choi.

    O especialista observou que as queixas de décadas provavelmente não desaparecerão em breve devido à relutância de Tóquio em se engajar em um diálogo completo sobre como indenizar as mulheres consoladoras sobreviventes da Coreia do Sul e as vítimas de trabalho forçado.

    "Ambos os líderes reconhecem que precisam fazer alguma coisa, por exemplo, criando um fundo para apoiar ou compensar as vítimas, mas não acho que isso acontecerá em breve, contanto que qualquer um dos lados, especialmente o governo japonês, não esteja disposto a ter diálogo com o governo sul-coreano", acrescentou Choi.

    Intrigas militares

    As relações entre os dois países asiáticos se deterioraram ainda mais depois de uma série de incidentes militares nos quais Seul e Tóquio trocaram acusações de provocação deliberada.

    A briga começou em dezembro com um encontro entre uma aeronave de patrulha japonesa e um contratorpedeiro da Marinha sul-coreana. O Japão alegou que um destroier da Marinha sul-coreana trancou seu radar de controle de fogo em uma aeronave de patrulha japonesa. Enquanto isso, Seul rejeitou as alegações e, em vez disso, disse que a aeronave japonesa realizou um voo de baixa altitude que ameaçava o navio sul-coreano.

    A tensão militar aumentou ainda mais no final de janeiro, depois que um avião de patrulha marítima japonês supostamente voou perto de um navio de guerra sul-coreano no estreito da Coreia.

    Enquanto as tensões continuam a crescer, o comandante da Primeira Frota da Marinha Sul-Coreana, o contra-almirante Kim Myung-soo, cancelou sua planejada visita em fevereiro às instalações do Distrito Maizuru da Força Marítima de Autodefesa Japonesa, enquanto Tóquio cancelou a ida do seu destroier Izumo ao porto sul-coreano de Busan na primavera. 

    O professor Jeff Kingston, diretor de Estudos Asiáticos na Universidade Temple, no Japão, declarou à Sputnik que os dois países não devem encerrar as contendas militares em um futuro próximo.

    "Ambos acham que o outro lhes deve um pedido de desculpas", explicou Kingston.

    No entanto, é improvável que os dois países se envolvam em mais tensões militares, assinalou Choi.

    "Eu não acho que os governos japonês e sul-coreano aumentem as possíveis tensões militares", opinou.

    Futuro da aliança na Ásia

    Apesar de serem adversários históricos, tanto Tóquio quanto Seul fazem parte de uma aliança com os Estados Unidos, que as autoridades de cada país afirmam ser de vital importância para a segurança regional.

    As divergências de décadas, juntamente com os incidentes militares mais recentes, afetam as relações bilaterais, mas dificilmente afetam relações intrarregionais mais amplas e a situação geral de segurança, de acordo com James Edward Hoare, pesquisador associado da Escola de Estudos Orientais e Africanos de Londres e ex-diplomata do Reino Unido, em comentários à Sputnik.

    "Essas tensões têm relações marcantes entre os dois países há tanto tempo que têm efeito mínimo em relações mais amplas. Na maioria das vezes, as questões interestaduais não impedem que o Japão e a Coreia do Sul trabalhem juntos em outras questões, apesar das diferenças históricas", comentou o especialista.

    Ele observou, no entanto, que as disputas entre os dois principais aliados de Washington na região limitaram sua cooperação trilateral em desafios regionais, como o programa nuclear da China e da Coreia do Norte.

    "A diferença entre os dois países significa que eles cooperam menos em questões aparentemente vitais, como as relações com o Norte [da Coreia] ou com a China do que o governo dos EUA gostaria, o que provavelmente torna suas alianças com os EUA menos eficazes do que o último gostaria", ponderou Hoare.

    Kingston concordou, observando que Washington estava insatisfeito com o confronto entre Seul e Tóquio que dificultou a aliança.

    "Os EUA há muito estão descontentes com as queixas não resolvidas do passado limitaram a cooperação em defesa e sabotaram os planos de alavancar a aliança trilateral para benefício mútuo", avaliou o analista.

    Kingston ressaltou, no entanto, que enquanto o ex-líder norte-americano Barack Obama tentava reconciliar o Japão e a Coreia do Sul, o presidente Donald Trump parecia estar "dormindo ao volante".

    Mais:

    O que Japão, Coreia do Sul e China estão à procura na América Latina?
    Japão faz denúncia à ONU com acusações contra China e Coreia do Norte
    Trump quer deixar Coreia do Sul e Japão de fora da reunião com Kim Jong-un
    Tags:
    exploração, relações bilaterais, diplomacia, Segunda Guerra Mundial, James Edward Hoare, Jeff Kingston, Kim Myung-soo, Deokhyo Choi, Ásia, Coreia do Norte, China, Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar