01:23 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldados do Exército da Libertação Popular da China

    Jornal militar chinês alerta tropas: é preciso preparar soldados para guerra

    © REUTERS / Damir Sagolj
    Ásia e Oceania
    URL curta
    8150
    Nos siga no

    As tropas chinesas devem acelerar o treinamento, adiantar tecnologia de ponta e, acima de tudo, se preparar para a guerra, disse o Diário do Exército Popular de Libertação (ELP) - um jornal das Forças Armadas - em uma mensagem de Ano Novo.

    "Preparação de soldados e preparativos de guerra" serão as principais prioridades para as Forças Armadas em 2019, disse o Exército oficial às tropas. Ele instou os leitores que "em nenhum momento deveríamos permitir qualquer folga nessas áreas".

    "Devemos estar bem preparados para todas as direções da luta militar e melhorar de forma abrangente a resposta de combate das tropas em situações de emergência […] para garantir que possamos enfrentar o desafio e vencer quando houver uma situação", informou a mensagem.

    O Diário do ELP também prometeu "reformar o Exército através da ciência e tecnologia", junto com o fortalecimento dos laços com o Partido Comunista Chinês.

    O editorial foi publicado alguns dias antes de o presidente da China, Xi Jinping, ter chamado para forjar a reunificação com Taiwan. Ao dizer que "salvaguardaria os interesses e bem-estar" dos que vivem na ilha, Xi notou que Pequim "reserva a opção de tomar todas as medidas necessárias" contra os estrangeiros que dificultam o processo.

    Taiwan é uma das questões que adicionam combustível a uma briga entre os EUA e a China desde que o presidente Donald Trump prometeu apoio militar à ilha. A China denunciou o movimento, advertindo os EUA contra a intromissão em seus assuntos internos. Deixando de lado Taiwan, o mar do Sul da China é outro lugar que viu crescentes tensões entre os EUA e a China.

    No ano passado, Xi também pediu que as tropas "concentrem os preparativos" para um conflito militar. "Temos que intensificar exercícios de prontidão de combate, exercícios conjuntos e exercícios de confronto para melhorar as capacidades dos militares e a preparação para a guerra".

    Os estrategistas de Washington indicam abertamente que Pequim é um oponente militar, mesmo alegando que pode ultrapassar os EUA em algumas áreas. O Pentágono, por exemplo, alertou repetidamente que os militares chineses poderiam deixar os EUA para trás na implantação do poder aéreo e marítimo, bem como no desenvolvimento de futuros sistemas de armas.

    Alguns membros da elite militar dos EUA também especularam sobre a possibilidade de se envolver em um confronto militar com a China. O tenente-general Ben Hodges, ex-comandante dos EUA na Europa, certa vez sugeriu que Washington "deve lidar com a ameaça chinesa" no Pacífico.

    "Os Estados Unidos precisam de um pilar europeu muito forte", disse ele ao Fórum de Segurança de Varsóvia em outubro. "Eu acho que em 15 anos — não é inevitável — mas é uma grande probabilidade de estarmos em guerra com a China".

    Mais:

    Presidente da China elogia Bolsonaro em carta
    Empresa chinesa com apenas 1 ano no mercado planeja ultrapassar Starbucks na China
    Mídia: China constrói antena comparada a Nova York para comunicação com submarinos (FOTO)
    Tags:
    segurança, defesa, investimento, treinamento militar, guerra, Exército Popular de Libertação (ELP), Partido Comunista Chinês, Donald Trump, Ben Hodges, Xi Jinping, Estados Unidos, Taiwan, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar